Livros e Documentos Esotéricos
Outros
Eu Estive em Vênus


PREFÁCIO
Por: Samael Aun Weor
Conheço Salvador Villanueva Medina há muito tempo. É pessoa amiga e digna de crédito. A bem da verdade enfatizo que se trata de um homem prático. Não tem nada de extraordinário. Nunca o vimos em devaneio. Sempre ganhou a vida como motorista, ultimamente como mecânico de automóveis. Sem dúvida, trata se de uma pessoa exemplar, excelente pai de família, bom amigo.
Entretanto, esse livro só lhe trouxe problemas. Essa obra já foi traduzida para o alemão, japonês, inglês, francês, tendo vendido milhares de exemplares. O autor limita se a contar o que viu e testemunhou. Considera uma obrigação narrar seu caso à humanidade. E diz a verdade, só a verdade.
Medina foi examinado por vários psicólogos, e esses atestaram que se trata de uma pessoa lúcida, inteligente e equilibrada. O que aconteceu com ele ter ido à Vênus a bordo de um disco voador poderia ter acontecido a qualquer um. A Phillips examinou amostras de terra e arbustos recolhidos no local onde a nave que levou Medina à Vênus pousou. Os especialistas daquele laboratório descobriram uma estranha desordem atômica e molecular. As marcas deixadas pela nave foram fotografadas. Assim, a narração de Medina está baseada em fatos e provas.
O Movimento Gnóstico Internacional está de parabéns com esse evento cósmico, cujo protagonista principal foi Salvador Medina. Sempre dissemos que a Terra não é o único mundo habitado, e isso ficou demonstrado com esse caso vivido por Medina. Vários terrícolas têm sido levados a outros mundos como pôde evidenciar Medina em Vênus, onde se avistou com dois franceses, os quais nem por sonho querem voltar à Terra.
Samael Aun Weor
Fundador do Movimento Gnóstico Internacional
México DF

A TÍTULO DE PRÓLOGO
Por: Salvador Villanueva Medina O mês de agosto para mim é significativo, pois, nesse mês vim ao mundo, ainda que daquela data até hoje haja transcorrido quase meio século. Foi também no mês de agosto que tive o maior privilégio que alguém poderia desejar. Em ambos os casos, a aventura aconteceu sem meu conhecimento. Este último é difícil de provar, porque nem testemunhas havia, porém, é mais rico em incidentes que o primeiro.
Disso tudo, o que mais fundas raízes lançou em minha mente, foi um motorista: ele foi a primeira pessoa que se colocou no meu caminho quando terminava a fantástica aventura. Foi fácil transbordar meu otimismo, sem imaginar suas conseqüências, que me colocavam no limite do sublime com o ridículo.
Mas tratei de aproveitar minha experiência com o motorista. Dali por diante acautelei me, mesmo que falando a verdade. Confesso que após a primeira decepção com as pessoas, com suma facilidade encerrei dentro de mim a gloriosa experiência, ainda que às pessoas que a proporcionaram tivesse prometido fazê la pública. Por dezoito meses fiz caso omisso de minha promessa para com eles, apoiando me na desculpa de que não tinha preparo intelectual. Mas insistiram assegurando me que se valeriam de algum meio para me ajudar na transcendental tarefa.
Não me pareceu raro ver nas primeiras páginas dos jornais, notícias a respeito de pessoas que haviam tido experiências semelhantes, ainda que menores que a minha. Novamente começou a mexer em mim a curiosidade de saber se a população me acreditaria. Propunha me a contar tudo a um intelectual e acredito que fiquei atinado quanto à escolha. Por aqueles dias um colunista que, sob o pseudônimo de M.G.B., escrevia uma série de artigos sobre o assunto, chamou me a atenção. Pela seriedade com que atuava, decidi fazer contato com ele, mandando lhe uma parte do relato, pois, não podia desenterrar de mim a incerteza que provocara o motorista, e por isso julgo que cometi outro erro não lhe contando toda a experiência em detalhes.
Agora era ele quem recebia com reservas as minhas palavras, e ainda que me tivesse dado oportunidade de justificar me, creio que não soube aproveitar, agravando as suas desconfianças. Exatamente naqueles dias estava no México, em viagem de férias, um casal de norte americanos que havia tido a oportunidade de ver uma nave espacial à pouca altura. Isso lhes entusiasmou tanto que decidiram documentá la e documentar se devidamente e ditar algumas conferências. No México colocaram se em contato com o senhor M.G.B. o qual teve a gentileza de me convidar para assistir a primeira conferência ditada por eles na capital asteca.
Compareceram à conferência umas trezentas entusiasmadas pessoas, a maioria documentada, e algumas, com experiências pessoais. Também os jornalistas fizeram se presentes, pelo que ficou muito interessante o novo incidente que iria aumentar meu acervo pessoal.
Em companhia de meu filho mais velho ocupamos uma poltrona do salão, deixando que a conferência transcorresse. Esquentaram se os ânimos; várias pessoas subiram ao palco para relatar suas experiências, aumentando o interesse de todos. De repente, o conferencista, num recurso de oratória, perguntou se alguém dos presentes alguma vez fizera contato com tripulantes de naves espaciais. A pergunta me fulminou. Sem saber com certeza o alcance de minha decisão, sentindo que uma extraordinária força obrigava-me a isso, levantei a mão, sendo em seguida convidado a ir ao palco ante a expectativa geral. Alguns passos depois o arrependimento já tomara conta de mim. Mas fui em frente. Felizmente trataram me com cortesia e houve até um grande escritor, Francisco Struk, que acorreu em defesa de minhas palavras, acalmando o rebuliço que elas provocaram na assistência.
Os norte americanos interessaram se em investigar meu relato, e com a aquiescência de M.G.B. convidaram me para lhes ensinar o caminho e o lugar onde vira e entrara na nave. Acompanhou nos um engenheiro militar, um professor de matemática americano e Salvador Gutierrez, experiente fotógrafo da imprensa mexicana. A excursão foi exitosa. O engenheiro, guiado por minhas palavras, fez cálculos e não demoramos a achar o lugar exato, comprovando-se as dimensões do aparelho. Isso me fez recobrar a confiança perdida com o motorista quando lhe contara o episódio. E adquiri nova informação: as naves aterrissam deixando profundas marcas. No presente caso, como havia aterrissado num local de vegetação alta, esta ficou queimada de um modo raro, totalmente desconhecida para nós; e assim encontrava se dezoito meses depois.
Tiramos amostras de terra, de dentro e de fora das marcas deixadas pela nave, que posteriormente foram mandadas para análise nos laboratórios da Phillips, quando se comprovou que em ambas as amostras recolhidas havia uma diferença molecular bastante acentuada. Pouco depois veio da Califórnia EUA Jorge Adamski que também pronunciou uma conferência no Teatro Insurgentes, asseverando que tivera numerosos contatos com tripulantes de naves extra terrestres.
Fui apresentado a ele na casa do colunista M.G.B. onde me limitei a responder suas perguntas sem estender me demasiadamente, pois, tinha, então, a firme convicção de que nenhuma pessoa que conhecera tivera uma experiência tão rica de detalhes e incidentes quanto a minha; parecia me que todos buscavam unicamente respostas e experiências para benefícios pessoais.
Pela capital asteca passou também o escritor inglês Desmond Leslie e tive oportunidade de conhecê lo e acompanhá lo por um dia e meio, graças ao interesse do agudo investigador e jornalista M.G.B. que não perdia tempo em aproveitar quantas oportunidades surgissem para investigar minhas experiências. Esclareço que tampouco a M.G.B. contara toda minha aventura. Como aos demais, limitara me em contar lhe somente uma parte da experiência, já que o restante julgava inverossímil; temia que me ridicularizassem, pois, estava crente que ninguém acreditava em algo que não tivessem visto com os próprios olhos. Contudo, a promessa que fizera aos tripulantes da nave continuava mordendo minha consciência. Este é o motivo pelo qual resolvi escrever este relato, amplo e sem as limitações impostas pelos jornais. Espero que me perdoem a ousadia.
No final deste trabalho, aos versados em telepatia, relato algo que tenho tido o martírio de captar sem, contudo, poder decifrar inteiramente, mas que julgo obrigado a dizer.

CAPÍTULO 01
O CONTATO
Corria a segunda dezena do mês de agosto de 1953 ... ! Cobrindo meu turno num carro de aluguel, servi a dois norte americanos, um casal, que me pediu recomendar lhes um motorista que lhes ajudasse a conduzir um automóvel para os Estados Unidos pela estrada de Laredo. Contra o meu costume, o trabalho me interessou e me coloquei a seu serviço, saindo do México dois dias depois. O automóvel, um Buick modelo 52, ganhava estrada com facilidade. O casal tinha pressa em chegar e por isso revezávamos no volante. Havíamos percorrido menos de 500 quilômetros 484 para ser exato quando se ouviu um ruído na transmissão do carro. Temerosos de causar maiores estragos ao veículo, paramos. Meus acompanhantes decidiram voltar em busca de socorro, já que em plena estrada, sem ferramentas, era impossível fazer qualquer conserto. Quando meus temporários patrões se afastaram peguei o macaco, para investigar de onde provinha o ruído. Coloquei o sob o carro, levantando uma roda; deixei o motor ligado à transmissão e deslizei para baixo do veículo para ouvir melhor. Nesta posição ouvi alguém se aproximar, pois, escutava passos na areia acumulada ao lado da pista. Alarmado porque quando meus patrões se foram, ao me colocar em baixo do carro e olhando à volta não vira ninguém, e o lugar era deserto tratei de sair rapidamente de baixo do carro. Não terminei meu intento quando uma voz estranha, em perfeito espanhol, perguntava me o que acontecera com o veículo. Não respondi sem antes ter deslizado para fora, ficando sentado e encostado à carroceria.
À minha frente, a uma distância de metro e meio, havia um homem de pequena estatura e estranhamente vestido. Não media mais que um metro e vinte. Vestia se com um traje feito de material parecido com a paina ou um tecido de lã. Exceto a cabeça e o rosto, o resto do seu corpo estava totalmente coberto. Surpreendentemente, a cor de seu rosto parecia de marfim. Seus cabelos, prateados e ligeiramente ondeados, caíam até abaixo dos ombros, por trás das orelhas que, em conjunto com as sobrancelhas, nariz e boca, formava um todo harmonioso, complementado por um par de olhos verdes, brilhantes, que me recordavam os de um felino. Sobre o traje trazia um grosso cinturão, arredondado em suas bordas e cheio de pequeníssimas perfurações sem ter, aparentemente. um ponto de união. Trazia também um capacete parecido com os que se usa para jogar futebol americano, um pouco deformado na parte posterior na altura da nuca, onde havia um abaulamento do tamanho de um maço de cigarros, coberto, por sua vez, de perfurações desvanecidas nas bordas. À altura das orelhas, viam se dois buracos redondos, medindo um centímetro mais ou menos, dos quais saía grande quantidade de fios metálicos tremelicantes que, nivelados sobre as costas do capacete, formava uma circunferência de três polegadas e meia; tanto os fios quanto a protuberância eram de uma cor azulada, igual ao cinturão e ao colarinho que arrematava o traje, que era de cor cinza opaca.
O homem levou sua mão direita à boca, no característico gesto de quem pergunta se eu falava. Pareceu me alucinante a sonoridade e a musicalidade de sua voz, que saía de uma boca perfeita, marcada por duas fileiras de pequeninos e branquíssimos dentes. Fazendo um esforço levantei me, valorizando me um pouco ao notar minha superioridade física. O indivíduo animava me esboçando um sorriso de plena doçura, mas eu não conseguia desfazer a rara impressão que me produziu a súbita aparição daquele tipo tão singular. Como não me sentira obrigado a responder a sua pergunta, perguntei-lhe se era aviador. Usando de generosa amabilidade, respondeu me que sim, que seu avião, como chamávamos, estava perto dali. Reconfortado pela sua resposta, ocorreu me convidá lo a subir no carro, pois, fazia um ar frio bastante desagradável que aumentava de quando em quando ao passar um veículo em grande velocidade. A obscuridade começava encobrir o homem. Em vez de aceitar meu convite ou de agradecê lo, arrumou cuidadosamente seu traje, deixando se ouvir um ruído parecido como o produzido por um carro em grande velocidade. Nas perfurações do cinturão começou a acender e a apagar com profusão diversas luzes que aumentavam de intensidade. O homem levantou o braço direito, como a despedir se, aproximou se de um monte de terra, escalando-o com facilidade de onde saltou para o bosque que margeava a estrada. Decorrido um momento subi ao mesmo monte e tratei de localizá lo, o que fiz pelo seu cinturão que, à certa distância, se assemelhava a um grupo de numerosos vagalumes. Permaneci ali até perdê lo de vista na obscuridade do bosque.
Voltei ao carro, retirei o macaco e, por conselho de alguns patrulheiros rodoviários, tirei o carro do asfalto, colocando o no acostamento. Acomodei me no assento matutando sobre o estranho ser, pensando que talvez fosse um aviador que havia sofrido algum acidente ou pane e tivesse destroçado o aparelho no bosque. Por fim, adormeci. Devia ter passado bastante tempo, pois, estava profundamente adormecido quando ouvi golpes no vidro da porta dianteira direita que me despertaram. Vi duas pessoas fora do carro. Imaginei que fossem meus patrões que tivessem voltado. Sem pensar em mais nada, abri a porta. Enorme foi a minha surpresa ao encontrar meu “conhecido” acompanhado, agora, de outro indivíduo com o mesmo aspecto e trajado igual ao primeiro. Sem me dar conta convidei os a entrar no carro, coisa que aceitaram imediatamente. Foi assim quando, pela primeira vez, tive a rara sensação de que aqueles estranhos seres eram algo superiores a mim. Como se fosse uma premeditada advertência, ao esticar o braço direito sobre eles para ajudar a fechar a porta, senti uma dor, seguida de um entumescimento que o paralisou momentaneamente. Foi tão forte a impressão que, instintivamente, apertei-me contra o veículo para o lado esquerdo, deixando espaço entre eles e eu. Um instante depois senti um calorzinho emanado de seus corpos ou de seus trajes que se tornava agradável, já que naquela época a temperatura da região era fria.
Sem nenhuma apresentação, meu “conhecido”, agora sentado na parte central do banco do automóvel, perguntou me se havia conseguido arrumar o carro. Disse lhe que não trazia ferramentas suficientes para tentar o conserto, de modo que não havia outra saída a não ser esperar o regresso de meus acompanhantes que tinham ido em busca de socorro. Seguiu se um momento de expectativa, quando percebi que estavam me observando com certo entusiasmo. Acendi as luzes do interior do carro e só para perguntar-lhes algo, quis saber se eram europeus. A perfeição de seus traços levaram me a compreender que não pertenciam a uma raça ao alcance de meu conhecimento. O do meio, que conduzia a conversa, sorrindo ligeiramente, disse que eram de um lugar muito mais distante do que eu conhecia ou podia imaginar. A questão do “lugar” dava me uma sensação esquisita, mas, não me ocorria pensar em outros planetas; só em outros países. “Nosso lugar”, disse, “está muito mais habitado que este. É difícil encontrar muito espaço entre pessoa e pessoa”.
Então, o homem começou a falar tanto que fiquei perplexo. Faziam contraste os dois: o do meio era a própria loquacidade; o da direita, o mutismo em pessoa. Entretanto, este era mais cheio de rosto e mais robusto de modo geral e só fazia pequenos movimentos com a cabeça, deixando, de vez em quando, seus pequenos dentes à mostra, que se destacavam pela sua alvura; contudo, não dizia uma palavra. O “baixinho” seguiu dizendo que sua terra podia ser chamada de “uma cidade contínua”, porque “cobria tudo”. “As ruas prolongam se infinitamente, nunca se cruzando no mesmo nível. A quantidade de veículos e a sua diversidade é tanta que facilmente ficaria pasmado”.
Continuando, assegurou que seus veículos não usavam combustíveis minerais, nem vegetais, pois, os gases dessa classe de combustível são prejudiciais ao organismo. Disse também que a propulsão era proporcionada pelo calor central do planeta e pelo sol fontes inesgotáveis de energia. Nas suas cidades as pessoas poupavam esforços porque havia calçadas rolantes e que ninguém jamais usava o meio da rua, que era metálico para conduzir a força de propulsão dos numerosos veículos. “Estes são totalmente diferentes dos que vocês usam; verás que com o material e o espaço que vocês usam para transportar seis pessoas nós levamos 25, e em alguns casos, até 50. Isso só tio primeiro andar”. Enquanto dizia isso, corria os olhos pelo espaçoso interior do veículo onde estávamos. “Porém, nós os temos até com 10 andares”.
Tudo isso já estava começando a me aborrecer. Não conhecia nenhum país da Terra que usasse tal combustível em seus veículos. Talvez fosse verdade que houvesse algum demasiadamente povoado, mas até aí chegava a coisa com relação às suas cidades. Também desconhecia que existia no mundo tal grau de mecanização. Aqueles homens estavam me parecendo um par de “gozadores”. Perguntei como faziam para produzir legumes, “já que são tão povoado”. Minha pergunta saiu em tom de gozação, mas ele, tranqüilamente, me respondeu: “Faz tempo que cultivamos legumes em maior número que os conhecidos por vocês; fazemos perfurações, empregando as paredes para esse fim. Nossas hortas são subterrâneas ou interiores”.
Alguma coisa do que tinha me dito parecia me lógico; nem tudo, porém. Tratando de me orientar, perguntei lhe se tinham mar. Respondeu, sem dar importância à minha pergunta: “Temos um só, mas é três vezes mais profundo”. A coisa estava me cheirando a mentira e reprovei seu procedimento. Então os dois explodiram numa gargalhada que acabou de me aborrecer, porém pensei que minha ignorância fosse maior do que imaginava. Assim, não me ofendi. Diante de minha impassividade o homenzinho espetou: “Espero que entendas que estamos falando de outro planeta”.
“De outro planeta?”, retruquei entre indignado e espantado.
“Sim, homem; um outro mundo, como vocês dizem; creio que sabes que eles existem”
- Claro que sim”, apressei me em responder, porque a pergunta me pareceu ofensiva. “Ora, imagine! Como é que não sei da existência de outros mundos?!”
E para terminar, quis demonstrar meus conhecimentos de astronomia, asseverando que, segundo nossos cientistas, nenhum outro planeta além do nosso, poderia ter habitantes racionais.
“O que os leva a pensar assim?”, perguntou me. “Acaso os deficientes meios de que dispõem para fazer seus cálculos? Não lhes parece demasiada pretensão acreditar que são os únicos seres que povoam o universo?”
Aquilo estava tomando uma direção mais séria do que imaginava. De repente voltei a me dar conta da dor que ainda sentia em meu braço e também da singularidade daqueles tipos com seus trajes, os cinturões, a rara cor da pele, a expressão de seus olhos, a estranha voz, cujo som nada podia encontrar de parecido. Para meu pobre intelecto isso tudo eram provas demais. Decidi seguir resistindo, dizendo que tudo o que me falavam parecia me inacreditável.
-- “Certo! É inacreditável para a mentalidade de vocês, mas, me diga uma coisa: por que?”

CAPÍTULO 02
A NAVE
A pergunta foi tão imprevisível que me deixou confuso. Ao acaso respondi que o supunha apoiado nos estudos dos nossos cientistas, astrônomos e matemáticos, que diziam que alguns dos planetas que formam nosso sistema solar são demasiadamente frios e outros demasiadamente quentes.
“Muito bem” disse. “Vou te dar um exemplo muito simples: vocês, na Terra, têm lugares extremamente frios, e mesmo assim, neles vivem pessoas que, sem artifícios e sem auxílio mecânico de espécie alguma, conseguem sobreviver, valendo se unicamente de seus próprios recursos. Agora imagine esses mesmos indivíduos dotados dos elementos necessários e úteis para formar o clima ou ambiente de que precisam. Que importância teria para eles a distância do sol se este lhes dá os recursos necessários para se protegerem e, ademais, converterem o negativo em positivo? Outro pequeno exemplo”.
Segui escutando.
“Já percebeste que um indivíduo, valendo se tão só de um pequeno tanque onde armazena o que necessita para respirar, pode estar fora de seu meio sem perigo para sua integridade física?”
O exemplo iluminou meu cérebro. Sem perder tempo, perguntei:
-- Vocês devem respirar algo diferente que nós!?
-- Claro: respondeu satisfeito.
-- Mas eu não vejo nada adicional ... ?
-- Não vê nada porque, segundo tua mentalidade, deve ser adicional; toque aqui.
Enquanto dizia convidava me a tocá lo no que deveria ser o estômago e ali dava para sentir uma consistência semidura, diferente de como a temos. Em seguida completou a explicação:
-- Nós levamos aqui o que nos dá a vida, injetado diretamente nos pulmões.
-- Isso sim é maravilhoso!, exclamei com entusiasmo. Mas, ... que diabo!...
As dúvidas continuavam me assaltando. Ele me advertiu dizendo que perguntasse tudo que quisesse, que me responderia. Para começar, perguntei lhe, já que vinham de outro planeta, que espécie de veículos usavam. Respondeu me dizendo o que tinha dito antes: que a sua nave estava a pouca distância dali e que logo teria oportunidade de conhecê la se assim o quisesse. Em minha mente revolvia se uma pergunta, mas não encontrava jeito de faze-Ia. Havia me ocorrido que sendo os adultos tão pequenos, como seriam as crianças. Para minha surpresa, corno se estivesse lendo meus pensamentos, respondeu minha pergunta mental, meu pensamento, da seguinte maneira:
--“Vou te explicar o que quer saber, ou seja, o relacionado com as crianças. Em nosso mundo não vemos crianças nas ruas. Desde que nascem, ficam sob a tutela do que poderíamos chamar de “governo” que se encarrega de seu controle e de sua educação até que atinjam a maioridade. Então, são classificadas de acordo com as suas qualidades físicas e mentais, encaminhando as para um lugar onde haja necessidade. Geralmente realiza se essa operação por casais, homem e mulher”.
Ocorreu me, então, de perguntar lhe como faziam para aclimatar uma pessoa de um clima frio para o quente e vice versa.
-- “Como verás, não temos esse problema. Pela simples razão de que todo nosso mundo dispõe de um só clima, uniforme, e este, não é natural, e sim, artificial, criado e feito por nós. Compreendes agora porque desfrutamos de um só clima benigno sem ter, corno vocês, regiões extremas? Além do mais, nossa população não nos permitiria esse luxo”.
Aquilo para mim ia se tornando completamente convincente. Tudo o que dizia começava a fazer sentido. Imediatamente minha mente formulou nova pergunta, relacionada com seu único mar. Não cheguei a formulá la e ele já cortou meu pensamento, respondendo:
-- Já te disse que temos um mar e este contém tanto líquido quanto os da Terra juntos. Dele tiramos tudo, que precisamos para construir nossos edifícios, para fabricar nossas roupas, nossos veículos e sessenta por cento ou mais de nossa alimentação. Prosseguiu:
-- Nossos barcos atuais não são como os vossos, como vocês concebem e constroem. Os nossos tanto podem navegar quanto voar ou ir a qualquer lugar sem oferecer perigo algum. Em nosso mar, à grandes profundidades, existem fábricas descomunais com sistemas diferentes aos que vocês usam. Esses sistemas atraem a população marinha que é selecionada e aproveitada cientificamente.
Diante de meu assombro, acrescentou:
-- Como compreenderás, em nosso mar não há agitações de nenhum tipo, pois o temos a nosso serviço e sob nosso controle, ficando eliminadas essas contingências.
Ficava cada vez mais preocupado. Ansiava saber mais sobre aquelas pessoas. Perguntei, então, como é que falavam tão bem o espanhol. Respondeu me que poderiam aprender qualquer idioma, por mais difícil que fosse, e que em seu mundo, um dia, também falaram muitos idiomas e que agora empregavam um só uma língua universal formado pelas palavras mais fáceis, tendo conseguido tal intento de um modo simples e eficaz.
Perguntei em seguida se conheciam todo nosso mundo a Terra. Asseguraram me que conheciam não somente sua superfície como também sua contextura e todos os costumes das diferentes regiões, por mais afastadas que fossem ou que a nós parecessem.
-- Primeiro o conseguimos com nossos aparelhos apropriados, dos quais estão dotados nossas naves; segundo, com nossa própria população, alguns selecionados que mais se pareçam com vosso tipo físico. Costumamos deixá los bem providos próximo ao lugar que queremos investigar, recolhendo os posteriormente no momento propício.
Brotou em mim a preocupação das finalidades pelas quais perseguiam nosso mundo. Ao ser perguntado a respeito, ilustrou-me com uma história:
-- A etapa que vocês atravessam atualmente há milhões de anos passamos também. Em nosso mundo houve guerras e destruições, atrasos e progressos. Um belo dia chegou a igualdade. Arrijaram os líderes políticos e em seus lugares foram colocados sábios e destacados humanistas. No lugar dos soberbos, ambiciosos e egoístas, que só buscavam o lucro em benefício pessoal, foram colocados homens que se interessavam pelo bem de todos indistintamente.
Após breve pausa:
-- Houve uma mudança total na administração pública e pouco a pouco foi desaparecendo a vaidade que era a maior aliada dos exploradores. A moral em todos seus profundos aspectos assentou-se firmemente. Hoje, verdadeiros sábios nos governam, procurando sempre melhor alimentação, melhor vestuário e melhor e uniforme educação. Acabaram se os privilégios. Agora, no mesmo lugar educa se física e mentalmente quem, provavelmente, descende de ricos ou de pobres. Quem se destaca nessa educação é destinado para locais onde possa desenvolver livremente suas aptidões sem qualquer preocupação. Isso que vocês chamam de “nação” ou “pátria” desapareceu totalmente. Somos cidadãos de nosso mundo. Não usamos bandeira, nem identificação alguma. Cada criança, ao nascer, é tatuada na planta dos pés. É como uma ficha que fala de sua origem e de suas faculdades. Assim cresce sem complexos, sadia e livre.
As horas transcorreram rapidamente. Começava a clarear quando descemos do carro. Para dizer a verdade não sabia se tudo aquilo era verdade, mas devia ser, pois estava a poucos centímetros daqueles personagens, disposto a certificar ou confirmar tudo que me haviam dito. Adiantaram se um pouco, subindo o monte de terra. De repente voltaram se como que querendo surpreender me num movimento suspeito. Dei me conta que de seus capacetes e cinturões saíam sons intermitentes e em grande escala, as vezes subindo de tom até doer os ouvidos.
A curiosidade me invadiu e não tive outra solução que lhes perguntar a finalidade de tais cinturões. A pergunta parece que os agradou. O baixinho fixou seus olhos no cinturão. Seu acompanhante só levou as mãos ao seu sem deixar de me observar. Mas sua expressão era tal que dava a entender que com aquela maravilha, sentiam se imunes a qualquer perigo. Pelo menos é o que me pareceu. Seus olhos fulgurantes, brilhantes, demonstravam carinho e segurança. Finalmente o baixinho levantou os olhos e disse:
-- Este é um aparelho que serve para imobilizar qualquer mecanismo ou inimigo. Diga me agora, prosseguiu, satisfeita a tua curiosidade, tens desejo de conhecer nossa máquina? Venha conosco, então!
E rubricou o convite com amplo e amável sorriso. O terreno era pantanoso. Meus acompanhantes vadeavam o charco buscando lugares mais firmes. De repente percebi que no lugar onde eles colocavam os pés, o lodo parecia abrir se, sem grudar em seus pés, num efeito parecido ao produzido por ferro quente. Olhei meus sapatos. Estavam totalmente cobertos de lama, já atingindo as pernas da calça. A observação deu me a impressão de estar caminhando atrás de dois fantasmas e, inconscientemente, comecei a aumentar a distância entre eles e eu, sem, contudo, perdê los de vista.
Aquilo foi a primeira de uma série de surpresas que se gravariam profundamente em meu cérebro. Alguns metros adiante, de chofre, ante minhas vistas, vi a majestosa nave de que me haviam falado. Deslumbrante, imergia rodeada das folhagens como gigantesco ovo em descomunal ninho. Parei em seco e pus me a contemplar o que tinha adiante. Uma majestosa esfera achatada que se apoiava em três pés que formavam um triângulo. Tinha, na parte superior, uma cabine ligeiramente inclinada para dentro, como de um metro de altura, circundada de buracos que se assemelhavam a olhos de boi, como aqueles que se vê nos barcos.
O conjunto era impressionante e dava a sensação de grande fortaleza. Era de uma cor parecida com as faíscas produzidas pelo aço contra o esmeril, mas, de uma transparência difusa. Quando os homens estavam a um metro e meio da nave, ambos levaram a mão direita apoiando a no cinturão e, em seguida, na parte inferior da esfera surgiu uma abertura que depois converteu se em escada. À guisa de corrimão, havia dois cabos, elásticos a meu ver, pois se flexionaram quando os dois se apoiaram neles. Entretanto, eu permanecia a cerca de sete metros de distância, mas, como a nave estava numa baixada, observei que os homens não deixavam nenhuma marca de lodo que pudesse, eventualmente, estar grudado aos seus sapatos. Pude ver, também, como o mais avantajado se perdia no interior da nave, e o outro, parado no meio da escada e apoiando se no corrimão, voltou se para mim, convidando me para me aproximar; e ainda que algo me impelisse em direção contrária, fiz um esforço e segui caminhando até a distância de um metro da nave.
Algo devia ter mudado em mim, pois, o medo ou o receio que sentia, havia passado, convertendo se em audácia. Comecei a imaginar que o que tinha diante de meus olhos, não passava de uma casa de exploradores, que não era nenhuma nave, e até achei a parecida com uma casa convencional. Quando o homem repetiu seu convite, decididamente avancei e comecei a subir logo atrás dele.
Saímos por uma espécie de clarabóia ou buraco redondo, de pouco mais de meio metro de circunferência, numa plataforma horizontal. Quando me dei conta, o buraco por onde entráramos, fechara-se em forma inesperada.
Claro que estava impressionado. Mesmo encerrado dentro daquela coisa, a luz a atravessava, e a parte que devia dar para a escada por onde subimos, parecia de cristal, porque dava para se ver fora com absoluta clareza.
Passei a vista sobre aquilo que se apresentava aos meus olhos no interior da nave. Uma parede baixava desde o teto fazendo canto com a plataforma. Nessa parede adivinhava se algo que bem poderia ser um espaldar, ainda que parecesse demasiadamente alto. Na junção daquele disforme espaldar, pois não era outra coisa, estava o que devia ser um assento, dividido em três partes vistas de frente, com algo parecido com tampos, mas esses estavam levantados para os lados.
Eu devia parecer um bicho numa jaula, pois os homens limitavam se a me observar. Finalmente, o que falava espanhol, convidou me a passear um pouco, mas pareceu me que aquilo não ia se levantar nem um centímetro com meu peso pelo que, ironicamente, disse que gostaria de experimentar.
Indicaram me o assento do meio, ficando eles um em cada ponta. O assento era estofado de uma maneira desconhecida para mim, isso que passei pelo menos dois terços de minha vida ocupando assentos de carros. Não podia negar o fato de que gostaria de colocar um assento desses no carro onde trabalho. Se o assento era surpreendentemente macio, o espaldar era melhor ainda, pois, bastava recostar um pouco o corpo e facilmente me perdia naquela massa agradavelmente aconchegante. Baixaram se os tampos e imediatamente senti uma ligeira pressão sobre minhas pernas e parte de meu abdômen. Ajustavam me com tal pressão e firmeza que me dava a impressão de estar metido dentro de uma esponja.
O tampo sobre minhas pernas não era outra coisa que uma mesa de instrumentos, e tal como a dos lados, as mesas eram geminadas, de modo que cada um ou qualquer um deles podia operar a nave.
Gostaria de descrever uma dessas mesas de comando. É como uma mesinha retangular, ligeiramente inclinada para mim junto ao peito.Sobressaindo se dos demais instrumentos, havia uma tela, não maior que o farol de um automóvel, de superfície convexa. Era límpida e luminosa, de uma claridade ímpar. Junto à tela, nos seus lados da parte anterior, havia duas protuberâncias redondas, uma branca e outra negra. Devo esclarecer que as cores de todos os instrumentos eram luminosas, mais brilhantes que a nossa luz fluorescente.
Na frente, junto à tela, havia três botões: dois colocados em forma vertical e um no meio, em forma horizontal. Ao lado direito via se uma série de teclas; a primeira larga e as outras estreitas. Na metade da primeira, este teclado começa na maior, de cor branca, e conforme se afasta, vai escurecendo até terminar em negro brilhante. Até o extremo oposto e a cada lado havia, ao alcance dos dedos polegares dos pequenos homens, dois diminutos descansos para os mesmos (dedos), angulares e para fora. No lado esquerdo, em fileira, igual ao teclado, surgiam chaves em forma de pequenas raquetes que se manipulavam para frente. Finalmente, diante da tela, e aproximadamente no centro do painel, havia quatro peças em forma de meia lua, tendo a parte inferior circular e a superfície plana. Operava pelo centro visto que admitiam em cada um delas somente dois movimentos. Essas peças formam uma cruz. Esses painéis eram complementados com um cilindro no extremo posterior. Dentro do cilindro moviam se cinco seções com diferentes velocidades tendo as leituras em diagonal. Mudava de cor conforme girava, indo do branco ao negro. Assim era, mais ou menos, o painel.
Nele se reproduziam os movimentos da máquina à vontade do operador. Observando tudo não percebi quando começamos a subir. A decolagem foi suave, lenta e em forma vertical.

CAPÍTULO 03
A NAVE MÃE
Pude ver aos meus pés o carro abandonado. Continuamos subindo, sempre em forma vertical e sempre tendo aos meus pés o carro como referência, enxergando o por último como uma forma borrada e não mais que do tamanho de um carro de brinquedo. Meus acompanhantes instruiram me a operar a tela. Bastava fazer girar qualquer dos botões laterais do painel, para atrair, de forma nítida e precisa, tudo que havia fora da nave: da parte superior, da inferior, da direita e da esquerda. O botão do centro servia para aproximar a imagem até dar a impressão de ficar a pouco mais de um metro de distância.
Antes que me esqueça, no extremo direito do painel há uma bola incrustada num côncavo, terminando numa alavanca redonda, que fazia mover, em toda a extensão da tela, um ponto negro que serve de mira quando há necessidade de se usar diferentes armas. que mais tarde descreverei.
Por fim, tudo ficou coberto de nuvens, e nós continuamos subindo. Os homens buscavam um buraco nas nuvens para que eu pudesse ver nosso planeta, pois, acreditavam, e com razão, que aquilo iria me impressionar. De minha parte sentia me tranqüilo. Tratei de buscar o motivo dessa tranqüilidade, pois, não me parecia normal. Meu temperamento é nervoso por natureza e ainda mais eu que nunca subira antes em avião, e isso já me parecia motivo mais que suficiente para ficar nervoso. Recordei que somente momentos antes de entrar na nave me sentira nervoso. Recordava que o tipo mais avantajado perdera se na escada e ansiava o momento que o segundo fizesse o mesmo para eu voltar “voando” para a estrada e meter me no carro, único lugar que me dava segurança.
No entanto, de repente todo aquele medo desapareceu de mim e agora até indiferença sentia pela sorte que o carro podia ter, abandonado lá embaixo.
Uma sombra de preocupação assaltou meu espírito: estar sob domínio daqueles seres. Mas tratei de afastar a idéia da cabeça distraindo me observando como operavam o painel e olhando para fora através das paredes para comprovar o efeito das manobras. Até sentia admiração pela simplicidade dos comandos daquela nave, que até uma criança poderia manejar. Quando entramos no espaço sem nuvens, fizeram me sinal para o que tínhamos sob nossos pés. Confesso que, por mais ressentido que pudesse estar, além da convicção de que subira na nave sob estranha influência, agora isso me parecia coisa perdoável. O que tinha ao alcance de minhas vistas era um espetáculo maravilhoso: uma esfera ligeiramente opaca, algo fora de foco que por momentos converteu se numa massa redonda e sacolejante como inimaginável gelatina. Pareceu me estarmos voando sobre a parte central do continente americano, já que se divisava, com relativa facilidade, e perdendo se num abismo sem fim, as terras americanas conjuntamente com a parte larga da República Mexicana e a parte estreita do continente.
Logo, os homens indicaram me a pequena tela, aconselhando-me a acionar o botão central. Por que haveria de negar me? Não tenho nem sinto palavras para expressar o que senti e vi a uns poucos metros de mim com meus assombrados olhos que, para dar crédito ao que via, tinha que afastá los da tela e volvê los através da parede da nave que me parecia mais real e mais verossímil. Dentro daquela pequena e claríssima circunferência, na qual, a meu capricho e só com um simples movimento daquele controle, podia trazer e reduzir todo um mundo a detalhes, até os mais insignificantes; vi o nosso alargado continente nadar numa massa líquida que se desvanecia em cores azuis e vermelhas até desaparecerem seus contornos num vazio infinito. Esse incrível espetáculo gravou se de tal maneira em minha mente que muitas vezes tenho despertado sobressaltado, sentindo me no vazio e atraído por aquela enorme esfera que uma vez contemplei, quiçá, sem minha vontade.
Quando os homens acreditaram que era suficiente (digo “acreditaram” porque, se dependesse de minha vontade, olharia sem parar), porque para eles o tempo contava, imediatamente metemo-nos numa nuvem de grandes massas, algumas tão negras que escureciam o interior da nave. Aqui tive outra maravilhosa visão. Acabávamos de sair do ventre obscuro de uma nuvem negra quando, intempestivamente, uma luz vermelho sangue invadiu o interior da nave de forma vivíssima. Tudo mudou de aparência. As fisionomias dos homens tornaram se ossudas e espectrais. A minha também devia ter adquirido outro aspecto porque o pequeno homem apressou se em me dizer para não ter medo porque era o sol que estava dando esse aspecto. A mim me pareceu estarmos dentro de um poderoso refletor.
Repentinamente cessou o movimento, ou melhor dizendo, a sensação de que íamos a aterradoras velocidades. Ficamos suspensos no ar. Em seguida outra não menos agradável surpresa. Tratavase de um gigantesco disco de cor negra, deslumbrante a ponto de cegar. Andamos lentamente ao seu redor como que o reconhecendo. Os raios de sol refletiam se em sua superfície. Estava imóvel como que deixando se farejar pelo pequeno aparelho que ocupávamos. Finalmente voltamos a ficar imóveis frente ao gigantesco aparato. Vimos como se abria na parte superior uma tampa das mesmas dimensões que nossa nave e também como esta começou a deslizar dentro daquele monstro. Sentia se perfeitamente sua parte inferior roçar como se estivesse em trilhos. Terminada a sensação, levantaram se os tampos da mesa de controle, deixando nos novamente livres. Os homens convidaram me a segui los. Abriu se uma clarabóia e por ela saímos da pequena nave. A porta estava aberta e por ela descemos a uma enorme abóboda, onde não havia mais colunas que as formadas pelo aparelho onde ficou ajustada nossa pequena nave.
Dentro havia intensa iluminação, sem, contudo, saber se de onde vinha a luz. Mais parecia me que todas as superfícies ao alcance de nossa vista produziam luz. Os homens dirigiram se além do lugar onde haviam “estacionado” a nave, onde uma parede cortava a circunferência. Eu, atrás deles, com urna indiferença que só em me lembrar hoje, me dá calafrios. Pouco antes de chegar na parede, uma seção de um metro deslizou para o lado. Seguimos por ali, encontrando nos agora num espaço em forma de meia lua. A parte semicircular era ocupada por uma espécie de tela panorâmica de cinema só que intensamente luminosa. Ao pé da tela, uma mesa comprida coberta materialmente de instrumentos, entre os quais, grande quantidade de pequenos, porém incrivelmente visíveis, mostradores com diferentes leituras. Destacavam se três fileiras de botões ou teclas semelhantes as de um piano dispostas para um concerto; grande quantidade de protuberâncias completavam aquele quadro maravilhoso de instrumentos e, junto à este, três volumosos assentos.
Estava tão distraído observando tudo aquilo que não me havia dado conta de estar rodeado de pessoas que, com meus dois amigos, somavam oito. Pedi lhes perdão por meu indiscutível adormecimento. Responderam me que estavam contentes com minha visita ali na sua nave o monstro que vira de fora. Algo me chamou a atenção: quatro daquelas pessoas vestiam se como meus amigos; os outros dois, não havia dúvida, eram seus superiores, não só pelo seu aspecto geral que denotava maior idade, como também por apresentarem maior personalidade, sem contar com o traje de cores diferentes um marrom brilhante que os tornava distintos dos demais. Como se isso não bastasse, era só observar a reverência com que os outros a eles se dirigiam.
Tudo o que estava me acontecendo desde cedo quando deixáramos o carro na estrada, parecia me tão irreal que comecei a sentir uma sensação de vazio, temendo ter que voltar novamente e me descobrir no carro. Mas não era assim! Estava vivo e muito bem desperto! Os chefes daquela nave convidaram me a permanecer com eles algum tempo, pois, disseram me que sentiam verdadeiro prazer em ter um homem de minha raça como convidado.
Ao lado direito e em frente a enorme tela, havia uma fileira de camas. Não creio que alguém de minha raça, que as visse, fosse pensar em algo diferente. Lógico que havia algumas diferenças se comparadas com as nossas, mas somente pela simplicidade, pois reduziam se a umas macas de um metro e meio de comprimento, por um metro de largura e umas duas polegadas de espessura. O material de estofamento era acolchoado, poroso, suave, e devia estar sustentado por outro material resistente e pouco elástico. Ao lado da cama havia dois punhos em forma de mão, os quais, fazendo girar, colocava a cama em diferentes posições, podendo convertê la em confortável poltrona sem pés de nenhum tipo, pois estava fixa na parede.
Aceitando o oferecimento que me faziam de demonstrar o funcionamento daquele extraordinário veículo, as camas, mediante comando, transformaram se em cadeiras ou poltronas, onde se sentaram meus amigos, os chefes, e alguém mais daqueles que estavam na nave. Os três restantes perderam se nos monstruosos assentos defronte à tela, junto ao painel de instrumentos. Repentinamente começou a se ouvir uma espécie de sibilo agudíssimo e a tela dividiu se em três seções em todo seu tamanho. Na seção do meio começou a surgir umas luzes vermelhas que iniciavam nos mais inesperados lugares vindo a morrer sempre no extremo, aumentando sua espessura antes de desaparecer na maioria das vezes. Isso me chamou a atenção. Perguntei a um dos chefes o que era aquilo (eu ocupava um lugar ao meio deles). Explicaram me que eram partículas cósmicas que uma poderosa força de repulsão gerada pela máquina afastava de nosso trajeto para não prejudicar a nave.
Aquilo era interessante, pois como se cruzavam em diferentes direções formavam figuras caprichosas que bastariam para me entreter vários dias. Não havia dúvida que muito tempo tinha decorrido, pois meu estômago assim estava advertindo. Inesperadamente um dos homens que nos acompanhava parou e dirigindo se ao lado esquerdo de cada uma das poltronas mexeu uma peça que formava parte de um comprido e articulado braço. Logo dirigiu se ao lugar do canto contrário que ocupávamos e voltou com duas pequenas bandejas, uma em cada braço.
As bandejas formavam um quadro de seis polegadas e estavam divididas em cinco fundas seções, cada uma repleta de algo consistente com um sabor tão agradável que era difícil encontrar algo parecido que houvesse comido anteriormente. Não só o sabor era agradável, como também era muito reconfortante. Pouco depois de haver comido esses alimentos, senti uma agradável satisfação de reconfortante otimismo que borrava de minha mente todos os problernas e preocupações. Os olhos fechavam se. Naturalmente que isso tinha uma explicação. A noite anterior quase não havia dormido; guiara por uns trezentos quilômetros. Em seguida, as diferentes emoções que passara, e, se isso não fosse pouco, agora estava no interior de uma fantástica nave rodeado de estranhas pessoas. Sim, estranhas! Mas que me faziam sentir me o homem mais importante da Terra. Eram gentis, amáveis, como se estivessem em obrigação comigo. Porque negar: faziam me sentir insignificante. Por fim, por mais esforços que fizesse, não pude vencer o sono e não soube de mais nada por largo tempo.
Quando me despertaram eu estava transformado, ainda que não tivesse mudado de posição e de lugar. Tudo que levava vestido, sumira. Agora meu corpo estava coberto com um traje parecido com o deles, mas sem cinturão. Faltava me também a espécie de colarinho do pescoço e os sapatos; os que calçava, que me haviam colocado, era uma espécie de galocha que me envolvia até os tornozelos. Levava também uma calça tão justa que me lembrava as roupas de um toureiro. Sentia a materialmente aderida às pernas sem contudo atrapalhar o mínimo movimento. Da cintura para cima estava coberto por uma espécie de pulôver desses que se colocam pelo pescoço. As mangas do pulôver iam até os pulsos, e no pescoço, até o pomo de Adão. Não tinha nenhuma daquelas coisas como fechos, botões, bolsos e nem se notava sinal de costura de nenhuma espécie. O material era grosso, pois algumas partes o sentia como tendo uma polegada de espessura. De uma frescura incomparável. Dava me a sensação de estar nu.
Ante minha estranheza, os homens explicaram me que haviam tomado essa liberdade por ser absolutamente necessário para minha proteção. Haviam tentado despertar me, mas não o conseguiram. Com isso deixaram me magoado. Afinal considerava o cúmulo trocar de roupa sem me comunicar. Mas, acreditei porque, uma vez, quando menino, alguns amigos tinham me tirado de um carro onde estava dormindo e me colocaram numa árvore. Por que não acreditar no que diziam? Além do mais não havia tempo para perder em futilidades. Os homens me acordaram para que com meus olhos visse o maravilhoso espetáculo que pouco depois iriam me oferecer.
Disseram me para não tirar os olhos da tela e para não perder nenhum detalhe. Realmente, pouco depois apareceu uma bola do tamanho de uma bolinha de gude. Era vista de uma maneira completamente diferente de tudo o que cruzava a tela em diferentes direções e com rapidez vertiginosa. A bolinha não mudava de lugar. Só aumentava de tamanho. Agora já apresentava se das dimensões de uma bola de golfe. Parecia maravilhosa e vinha em nossa direção em linha reta.
Mais tarde chegou a atingir o tamanho de uma bola de futebol. Não mudava de cor. Era de um vermelho incandescente como de carvão em brasa. Pouco depois, era do tamanho de um balão. Não mudava de lugar. Se a coisa continuasse nesse rumo, em pouco tempo invadiria toda a tela, na qual quase não mais se viam aqueles riscos. Será que aquela bola estava me obcecando, hipnotizando, já que não afastava a vista dela? Comecei a sentir medo. Todos os que permaneciam a bordo também sentiam. Dava para notar em suas fisionomias. Também estavam atentos e creio que preocupados. Nosso objetivo tinha agora pelo menos um metro de diâmetro. Tratei de parar. Os dois chefes ao mesmo tempo me indicaram que ficasse em meu assento bem quieto, mas ninguém fazia nada para evitar a colisão. Eu os olhava desesperado, mas não me davam importância.
Aquela fantástica bola cobria toda a tela agora. Tratei novamente de deter me, e desta vez, senti uma pressão em minha perna de dois pequenos, mas poderosos braços. O homem que estava a minha direita disse que não estávamos correndo nenhum tipo de perigo e que só estávamos entrando em outro mundo no mundo no qual viviam e o que agora estávamos vendo era somente a camada atmosférica que o cobria.

CAPÍTULO 04
CHEGADA À VÊNUS
O inevitável chegou. A bola cresceu e cobriu as três telas. Comecei a sentir um calor sufocante. Mas, só eu. Os demais continuavam do mesmo jeito que antes. Atribuí essa sensação ao meu estado psicológico ou nervoso. A perigosa sensação de choque fora superada. Agora a tela inferior cobriu se com quadros pequenos, divididos em canais profundos e retos. A medida que cresciam eram distinguidos melhor. Estavam cobertos com algo que parecia arbusto e sobre eles havia outras coisas. Acabávamos de passar por alguns, onde se viam naves pequenas, como aquela que trazíamos dentro. Começamos a descer em forma vertical, indo direto para um dos quadros divisados na tela inferior de maneira perfeita.
Todos param. Dispomo nos a sair. Abre se a porta da cabine. Ao nosso lado esquerdo há uma coluna grossa, pegada à parede que não tinha visto quando entrara. Gira uma seção ficando a descoberto uma escada de degraus semi circulares. Os chefes adiantam se. Desce um, logo outro. Perdem se na coluna oca. Meus amigos fazem sinal para que os siga. Aquela operação recordou me a descida em pára quedas. Ponho um pé num degrau e ao me sujeitar com as mãos ao que estava diante de mim, suavemente comecei a descer como num elevador, parando quando chegou no piso inferior, cinco metros abaixo da parede inferior da nave. Agora estamos sob sua barriga. Efetivamente esta é negra e brilhante. Ao meu redor está cheio de pequenas árvores, todas cobertas de frutas. Dá para sentir seu aroma. Entre as árvores há alguns postes grossos de metal também negros. Neles descansa nossa nave. Também há corredores em todas as direções que estão, pelo menos, meio metro sobre o nível do pavimento. Ao pisarmos nele, soa ocamente.
As árvores medem pouco mais de dois metros, mas são frondosas. Seus ramos e galhos não têm folhas. Nem no chão vêem se folhas caídas. Seus galhos são bastante grossos e não guardam proporção com o tronco. Há frutos em abundância. Toquei um e me deu a sensação de ter a casca muito fina. O fruto era macio, como quando está maduro. Cada árvore estava sustentada pelo tronco com quatro pés que vinham do chão. Examinei a terra, mas não é nada parecida com a nossa. Parece pó de algo como borracha moída ou areia fina. Era negra e estava úmida, muito úmida, porém, não de água, mas de um líquido viscoso. Meus amigos me garantiram que efetivamente não era terra, mas um produto químico e que as árvores não se mantém presas pelas raízes e que estas lhes servem somente de fonte ou canal de alimentação. Dizem também que estamos num terraço, e este, é um tanque para conter todo o material que alimenta sua fruticultura.
Seguimos por uma passarela até a borda. Olho para baixo e me dou conta que, o que eu acreditava serem canais, são ruas. Lá em baixo movem se vários veículos, e junto às paredes, há grande quantidade de pessoas, todas alinhadas. Não se encontram, nem se esbarram. Assim que levanto o rosto para cima, encontro algo verdadeiramente assombroso: uma abóbada altíssima e contínua que não se vê onde termina. Meus amigos me dizem que cobre todo seu mundo, mas, não é só isso. Ela canaliza e dirige raios luminosos em todas as direções.
Seguem explicando me que se trata de uma capa de nuvens espessas, às quais estão misturadas substâncias que, ao receberem os raios do sol, absorvem seu calor e sua luz, multiplicando a, e com ela, iluminam todo o planeta. Garantem me que não têm noites. O clima é abafado. Começa a me faltar o ar. O que respiro não é suficiente. Sinto me mal. Estico o colarinho daquela camisa e ela cede. É elástica, mas, não consegui mais ar. O rosto me arde. Creio que vou desmaiar e apóio me na amurada da plataforma. Os homens que estavam me cuidando esperavam já essa reação e estavam prevenidos. Ofereceram me algo de borracha do tamanho de um charuto, dizendo me para chupar como se estivesse fumando.
A reação é notável. A cada tragada recobro as forças até me sentir normal outra vez. A gola da camisa oprime me novamente, mas, já não me incomoda mais.
Sob aquela monumental abóbada vêem se infinidades de naves como aquela que trazíamos dentro e muitíssimas como a grande. Todas negras. Cruzam se rapidamente em diferentes alturas. Noto que, segundo sua direção, é a altura em que operam. Há naves de todos os tipos. Tubulares de vários tamanhos, compridas e grossas; esféricas de todos os tamanhos parecendo globos de cristal. Agora, passa uma sobre nós, que se assemelha a um ovo ou a uma pêra. Vai a pouca altura e desloca se em pequena velocidade. Asseguram me que também é uma nave de transportes. Uma coisa me chama a atenção: apesar da velocidade e da quantidade de veículos, estes não se chocam. À nossa frente descia agora uma gigantesca nave. Ao cruzar se com uma pequena, esta desviou se com incrível rapidez. Creio que os pilotos não intervieram nesse movimento de desvio. Inquieto, pergunto sobre o fenômeno. Explicam me dizendo que todas as máquinas têm força de repulsão. Aquelas que imprudentemente se colocam no trajeto de outras, são rechaçadas como bola de futebol.
Andamos pela passarela junto à amurada, até chegar a um canto do terraço. Ali estão os elevadores, dispostos em toda extensão desse lado. Não são fechados como os da Terra, mas têm três fachadas cobertas por grade maciça e rígida, na qual nos encostamos, eu bem preso com as mãos; porém, justamente onde me apóio estão os controles. Pergunta me um dos chefes se tenho fome. Fome? Não! Nem me lembrava disso, afirmei. Rindo, disse me que, casualmente, aquele edifício em que estávamos era um restaurante. Efetivamente, ao descermos, parávamos em cada andar e todos estavam cheios de gente. Continuamos descendo. Finalmente, num dos andares descobrimos alguns lugares vazios e saltamos. Reinava grande harmonia em todos os movimentos das pessoas. Não se atrapalhavam, nem cochichavam. Cada um chegava, pegava sua porção de alimento, sentava se, comia e devolvia a bandeja vazia, retirando se em seguida.
Dei me conta que a parede frontal a que ocupávamos ao descer, também estava cheia de elevadores, e as duas restantes, convertidas em armários embutidos em toda volta cheios de bandeja iguais as que usávamos na nave. O piso deste local estava coberto de pequenas cadeiras que se completavam com um braço reversível, no qual se colocava a bandeja. Não pude conter uma exclamação de surpresa. Agora os alimentos eram ainda melhores que os da nave. Meus amigos ofereceram me ração dobrada e comi até me dar por satisfeito. Foram dez sabores diferentes, pois, todos são diferentes. Pude observar também que as bandejas eram de cores diferentes, tantas que me cansei de contar, e os homens me garantiram que cada cor tem cinco sabores diferentes, porém, todos tinham a mesma consistência. As colherinhas que usavam assemelham se às nossas colheres rasas, porém são ligeiramente curvas muito pequenas.
As pessoas que vi nesse edifício não mediam mais que um metro. Todos pequenos, mas bem proporcionais. Todos vestiam se do mesmo modo, com roupas iguais às que eu trajava, mas de cores diferentes. Naquele mundo de clima condicionado há uma contínua orgia de cores, vistas em qualquer direção que se olhe. Homens e mulheres vestem se iguais. De frente diferenciam se apenas pela formas próprias da mulher. Ao falar, suas vozes soam tranqüilas. Não são como as nossas: broncas, grossas e até certo ponto, desagradáveis ao ouvido. Todos têm cabelos prateados e ondulados. E todos chegam a cair nos ombros. A cor verde dos olhos é geral, com também o marfim da pele. Meus amigos explicaram me que a raça é pequena porque assim o querem. É um processo científico. Quanto à cor dos olhos, pele e cabelos, é devido ao clima reinante no planeta.
No refeitório havíamos ficado meus dois amigos e eu. Os demais haviam se retirado, pois tinham que fazer o relatório de sua missão. Nós ficamos conversando. Era maravilhoso estar entre tantos “bonecos” humanos. A eles eu devia parecer um monstro. Saímos do refeitório pelo mesmo elevador e chegamos ao que devia ser o sub solo. Esse pavimento está totalmente vazio. As pessoas cruzam por ele. Não há portas de rua em rua. As paredes frontais que não têm elevadores, compôem se de uma série de entradas em forma de arco. No centro há dois mais espaçosos que os demais. Por ali cruzam os veículos. Há muitíssima luz, porém, não se sabe a fonte. Pode se dizer que são as paredes que a produzem. Caminhamos sobre um piso macio, polido como metal.
Saímos em direção à rua e ao chegarmos a parte frontal do prédio, detemo nos. As calçadas rolantes circulam a uma velocidade moderada. Estão divididas em três bandas: duas que se movem em direções contrárias e uma, a do meio, que se mantém imóvel. As pessoas mudam de uma para outra, em movimento, com agilidade, saltando da em movimento para a imóvel e desta para a outra em sentido contrário. Ou então entram num edifício. As fachadas dos prédios são lisas. Não têm janelas. São lisas por completo. Suas belas cores parecem de vidro, ou melhor dizendo, de espelho, pois, nossa imagem reflete se nitidamente. Percebe se a junção do material em cada pavimento, porém formando um todo. Cada edifício é de uma só cor. Diferenciam se por elas. Não há placas de tipo algum. Os edifícios restaurantes são azuis, existentes a cada quatro quadras. O meio da rua é largo, dividido ao centro por um meio fio estreito, coberto com algo parecido a tiras de metal: uma estreita de cor amarela e outra larga de cor marrom escuro. Descubro só dois tipos de “veículos terrestres”, diria, mesmo que a palavra não seja apropriada. São individuais, pequenos, destinados a uma só pessoa e está provido de duas rodinhas. Não coincidem com a idéia de rodas bem proporcionadas que temos, porque são rechonchudas e largas. Nesses veículos vai uma só pessoa, porém, há veículos de três rodas. Nos primeiros há um assento com encosto, e sobre a roda dianteira só há um guidom não maior que a mão deles, operado como uma manivela. No segundo tipo, o assento é largo e também há encosto e apoio para os pés. Também são operados como o guidom. Esse tipo de veículo é encontrável em quase todos os edifícios, no sub solo. E qualquer um que os usa, deixa em qualquer lugar que quiser. Nos de três rodas, geralmente, vão os casais, homem e mulher. São vistos circulando em boa velocidade e geralmente sobre pistas estreitas. O outro tipo de “veículo terrestre” podíamos denominá lo “coletivo”. São parecidos com estruturas de edifícios pequenos por terminar. A maioria tem 10 andares, ainda que haja outros com menos. Este tipo de transporte é raro, porque não sobe ou desce só uma pessoa, mas, recolhe e deixa andares inteiros.
Como o sistema me pareceu interessante, vou descrevê lo em maiores detalhes. Para isso, vejamos primeiro como são as ruas, para fazermos melhor idéia. Essas sobem e descem, formando passagens em desníveis em cada esquina, onde os veículos passam, a cada duas quadras, sob uma ponte, usando o oco desta para alojar as plataformas que recebem os passageiros.
Vejamos agora como são os veículos que andam a um metro das calçadas. Já que falamos delas, vamos completar a sua descrição: correm em toda sua extensão, separadas do olho da rua por rígido pára peito. No que podia ser o meio fio, está aberta a interminável boca de um coletor aspirador que se encarrega de chupar o pó que poderia produzir no piso o contínuo rodar de veículos, único desperdício admissível num mundo onde se percebe a limpeza absoluta. Como já disse, os veículos são armações que estão presas ou ligadas numa plataforma que serve de base. Esta por sua vez repousa sobre várias fileiras de rodinhas. Geralmente, cada fileira tem cinco fortes rodas. Chega a haver até 10 fileiras de rodinhas. Assim é a armação ambulante e exatamente como ela, há duas em cada parada. Estão sem rodas e dispostas umas atrás das outras.
Tratarei de descrever o complemento, ou seja, onde se sentam os passageiros. Trata se de uma caixa que tem até dez assentos corridos no que cabem cinco ou seis pessoas. Naturalmente pequenas. Cada caixa é todo um mecanismo. O veículo chega na sua parada e se ajusta com precisão de milímetros. Emparelha com a primeira armação fixa. Ouve se um golpe seco e desloca se uma seção da dita armação fixa. Caminha uns metros mais até ajustar se com a armação seguinte e recebe outra caixa repleta de passageiros. Dizia antes que cada uma dessas caixas é todo um mecanismo, porque os assentos estão montados sobre uma banda que, enquanto está dentro da armação fixa, começa a girar, colocando cada assento ao alcance de um tipo de escada de barrotes, automático. As pessoa usam tanto as escadas elevadoras, como os assentos com enorme facilidade. Ditos elevadores conduzem a uns corredores subterrâneos e para abordar um destes veículos, a operação se faz inversamente.
Não há condutores, nem motoristas. Não usam trole. Tampouco vão sobre trilhos. No entanto, são tão perfeitas suas paradas que cheguei a pensar que se uma inteligência os manobrasse, não conseguiria tal perfeição. Andam um atrás do outro, algumas vezes em linhas cerradas. Em determinados lugares alcançam velocidades de até setenta ou mais quilômetros por hora. Sempre circulam sobre duas das pistas estreitas.
A luz das ruas é proveniente do céu ou da abóbada celeste. Não é tão viva como a que desfrutamos de dia. Assemelha se mais com a que brilha ao amanhecer e são vistas brotar de milhares de lugares, como raios de sol passando através de nuvens brancas e prateadas que formam um infinito refletor. Meus amigos me haviam dito que não havia luz artificial nas ruas e que tampouco tinham noites e o fato de nenhum tipo de veículo trazer meios de iluminação, parecia comprovar o que eles tinham me dito. Porém dentro dos edifícios, é surpreendente a intensidade da luz ali existente, parecendo que emana das paredes e do teto.
Saímos a andar porque ainda que as calçadas sejam móveis e dotadas de assentos as pessoas sentem prazer em usar suas pequenas pernas e ninguém se deixa levar. Ao contrário, parece que muitos se divertem saltando de banquinho em banquinho. Eu caminhava devagar e minha única preocupação era não pisar em alguém, fato que não me perdoaria.
Admirável a mudança que se operou em mim. Sinto a mente aliviada e adquiro grande poder de observação. Assimilo com facilidade o que eles me explicam e sinto tal grau de despreocupação que quase me esqueço que tenho que voltar ao meu mundo, ainda que meus amigos venusianos ignorem a data. Nem sequer me havia dado conta que os “dois” falam espanhol e só retornei à realidade ao ver minha desproporção com todos os seres que me rodeavam, não só em estatura, como também em feiúra.

CAPÍTULO 05
PRIMEIRAS IMPRESSÕES
Desde que estive a primeira vez num dos seus hortos de terraço vi algo que me chamou a atenção de forma extraordinária. Tratava se de uns edifícios, parecidos com os demais só até a meia altura, prosseguindo daí em forma circular até uma altura de uns duzentos metros talvez, onde terminavam em forma de cúpula, redonda e lisa. Essa prolongação era de cor negra, brilhante, tal como a das naves circulares, como aquela que nos trouxe até esse mundo de maravilhas. Para qualquer lado que se conte, a cada quatro edifício encontra se um desses, ou seja, cada um deles está localizado entre um grupo de vinte e quatro quadras. São os únicos que possuem sinais ou guias, porém, essas indicações, no dizer de meus dois amigos, somente marcam o número da zona que ele controla.
Explicaram meus amigos que esses edifícios eram os mais importantes, pois, deles se administrava todo o grupo que os cerca, entre os quais, encontram se restaurantes, dormitórios, cinemas, salas de jogos, salas de música, laboratórios para o preparo de alimento, central médica, fábrica de vestuário e lavanderia (que se assemelha mais a um laboratório de limpeza de roupa). Controlam ainda a distribuição de roupas e de alimento, o clima e a iluminação da zona. Tudo isso de forma automática.
Asseguraram me ainda que a partir dessas cúpulas, mantinham comunicação constante com naves e edifícios. Em suas torres são captados sons provenientes de todas as partes do universo, estudando os e classificando os para materializá los em seguida. Desde suas cúpulas controlam e mantém a forma e a altura da sua abóbada atmosférica, controlando também o clima na parte exterior dos edifícios, e como se tudo isso fosse pouco, em cada um há um arquivo vivo no qual se pode investigar o passado, ver o presente e até mesmo o futuro em gestação. Sem precisar sair do mesmo, alguém pode ver os processos de construção de edifícios e a fabricação e a montagem de toda classe de veículos aéreos e terrestres. Do mesmo modo, pode ser vista a preparação do seu alimento e vestuário desde o princípio. Usa se um maravilhoso sistema de auto sono visão (que valha a palavra), onde é possível manejar o espetáculo à vontade do operador. Em cada uma de suas salas, nas paredes, há umas telas controladas por manipuladores situados em cada lado da abertura. Apóia se as mãos nesses manipuladores, com os dedos polegares sobre um botão e, de modo semelhante ao cinema, dá uma sensação de incrível profundidade, possibilitando a idéia de que realmente está vendo homens, materiais, máquinas e todo seu processo. Com os manipuladores faz se passar o espetáculo à direita e à esquerda, ou, se preferir, detém no, dando a impressão de se estar percorrendo a região num veículo. Para isso basta apertar ditos botões.
Como julgo interessante o que vi em algumas delas, tratarei de descrever essas interessantes impressões. Começaremos por algo que todos conhecem: pneus de automóvel. Isso é coisa do seu passado, pois, atualmente tem o pavimento com brilho de espelho, usando um sistema diferente de rodas. Como estava dizendo, no passado usaram um tipo de roda muito parecida com a nossa, ainda que seu princípio de fabricação fosse diferente.
Nós, em matéria de transportes, tanto aéreo como terrestre, temos avançado em velocidade, mas não em segurança. Construímos veículos para velocidades de duzentos ou mais quilômetros por hora, deixando as conseqüências disso ao sabor da sorte, pois, num veículo qualquer, viajamos sobre quatro rodas com câmaras de ar e, sabemos por experiência própria que não só a essa velocidade como também a um terço dela, se de forma imprevista estoura o pneu, ou se a roda perde o ar que a mantém, a vida que vai em cima do veículo depende exclusivamente da sorte.
Eles não brincavam com a sorte, nem com sua vida, e por isso, buscavam segurança em algo confiável, na solidez de um material. E os seus pneus, suas rodas, estavam construídas dentro desse princípio de confiança. E como vi todo o processo de fabricação, através daquele maravilhoso aparelho, estou em condições de descrevê lo. Espero que consigam me entender apesar do meu pobre vocabulário, porque não sei se consigo expressar me devidamente. Começaremos pelo núcleo, ou seja, por aquilo que para nós representa a câmara de ar, base para um pneu confiável.
Para conseguir isso, fixemos em nossa mente um molde para esse núcleo, como se quiséssemos nele alojar uma de nossas rodas. Dito molde está aberto em sua parte superior. Além disso, está dividido em sua parte longitudinal, no centro, formando assim duas seções iguais que poderiam abrir se para desalojar o núcleo uma vez construído. As duas paredes que formam o molde estão cobertas de perfurações em toda sua extensão. Esse molde gira numa máquina e em seu oco, enrola se o material que o formará. Esse material, conforme vi, é de três tipos, a saber: uma mangueirinha ou tubo do diâmetro de um lápis, feito de um plástico especial, mas que também poderia ser borracha (como a que conhecemos). O tipo que o seguia era a mesma mangueira, só que agora reforçada com fibra, pelo que, tinha maior resistência. A esse material, seguia se outro, que não era oco, mas que também não era sólido; era um cordel ou corda do mesmo diâmetro que os anteriores, construído de fibras, talvez de sisal ou qualquer outro material fibroso, torcido naturalmente e tratado quimicamente, para que aceitasse um envolvimento além do plástico, aqui de borracha, semelhante às fibras que formam o revestimento dos nossos pneumáticos.
Muito bem. Uma vez o molde cheio desse material, naturalmente que sempre com a mesma tensão, quantidade e peso, entra com todo o conjunto no processo de cozimento, com o objetivo de obter uma unidade compacta, que não se desfaz quando retirada do molde. Quando esse núcleo está pronto, ambas seções giram em sentido contrário sem retirar se do material. Assim é como o descolam do núcleo sem estragá lo. Terminado o processo anterior, temos então a base para uma roda semi sólida confiável. Depois disso, passamos ao processo de fabricação de uma malha de metal, destinada a aumentar a resistência e conservar sua forma. Essa malha é tecida por uma máquina especial. Conforme é tecida, nela vão entrando ditos núcleos, acompanhado de um espaçador que contém uma ranhura na metade de sua extensão. Essa é necessária porque, seu trajeto, passa por uma cortadeira circular, que se encarrega de dividir em cada núcleo só o material necessário. Pouco depois de cortada a malha, os núcleos se separam dos espaçadores, seguindo estes um caminho e aqueles entrando em uns canais que se aprofundam cada vez mais até conseguir que dita malha fique aderida nas paredes laterais, formando uma abertura fixa e segura. Logo, passam a cobrir o núcleo malhado com o material de cobertura exterior, no nosso caso, borracha. Dali passam aos moldes que dará o acabamento. Eles usaram lisas, porém, sigamos com o processo. Uma vez terminado nosso pneu, nessa fase de acabamento, não o poderemos montar em nosso tipo atual de roda, que são feitas para usar câmaras de ar depois de prontas.
Mas podemos usar com vantagens o procedimento que eles usaram, ou seja, dois discos de lâmina de boa espessura, troquelados com a forma de rodado e unidos pelo centro sobre ele terminado, concluindo com os furos necessários para qualquer tipo de automóvel. Poderíamos substituir com unidades completas desse tipo nosso atual e inseguro sistema de rodado. Como vêem, esses discos podem ser terminados com maior beleza, digno dos carros mais luxuosos. Este sistema tem algumas vantagens e a principal é a substituição das desgastadas pelas recauchutadas. Em nosso mundo seria necessário toda uma indústria.
Eles, hoje, usam motores em forma de rodilhos que trabalham ao inverso dos nossos. Nós fazemos rodar ou girar o centro ou massa embobinada. Eles fixam o eixo. Como vocês percebem, não é muita a diferença nesse aspecto.
Passemos agora às suas naves. Eles me haviam assegurado que o princípio que nós usamos para voar é incorreto, pois, nossas aeronaves são frágeis e inseguras, além de dependerem de combustível para propulsão, que além de aumentar o peso, diminui seu raio de ação. Em troca, aconselham que deveríamos construir máquinas que aproveitassem as forças existentes ao nosso redor, que são incontáveis. Por exemplo, eles, mesmo em pequenas naves, trazem diminutas, porém poderosas fontes de energia: aproveitam o calor, o frio, a luz, as trevas, as linhas magnéticas e até mesmo as tormentas elétricas. O princípio de sua maquinaria, em todas as naves, é o mesmo, variando só a sua disposição. Tratarei de transmitir o processo de construção de uma nave circular pequena, ou seja, essas que nós na Terra chamamos de Disco Voador.
A primeira coisa que vemos é a base, ou seja, a parte inferior. Vem em bruto. Vê se a enorme circunferência oca. Vêem se também suas três cavidades, por onde receberá os pés de sustentação. Traz também cinco bases onde serão alojados o que seriam coxins selados, maravilhosos por certo, nos quais são injetados materiais líquidos, artificiais, produzidos em laboratório, muito parecido com o estanho. Cada coxim alojará o extremo de um eixo vertical. Nesta (nave) haverá cinco deles e em cada um rodarão grandes e delgados volantes unidos a outros pequenos. Em três desses eixos estão alojados cinco dos grandes volantes. Nos dois restantes, somente quatro. Os volantes grandes terminam num ângulo agudíssimo que se alojam numa ranhura do mesmo diâmetro em que está o volante pequeno. Esta parte aguda de que falo está coberta de pequenos círculos, que podem ser bobinas, pois, os pequenos que os alojam, por sua vez, estão cobertos de barrinhas ou varetas dispostas em ângulo ao seu redor.
Após essa operação segue se a colocação das fontes de energia, também em número de cinco e têm a forma de um recipiente para assar frango. Tudo está devidamente unido. Segue se agora a escada interior em forma tubular. É alojada entre as duas séries de volantes. Tudo em ordem, colocam a cobertura central. Chega entre quatro pés motorizados que giram, sobem ou descem a vontade dos operadores. Por sua vez, essa cobertura traz os coxins devidamente colocados encaixando se perfeitamente nos eixos, escada e na parte inferior da nave. Temos então a sala de máquinas que impulsionará a nave. Ainda que essa seja a parte mais trabalhosa, tudo é feito com facilidade e precisão.
A mesma máquina que trazia a cobertura central, eleva agora todo o conjunto, facilitando assim a colocação das balizas de sustentação. Estas devem ser colocadas e fixadas com precisão, porque quando não são necessárias, giram perdendo se em suas cavidades, deixando uma superfície contínua com o restante desta parte da nave. Estes aparelhos contam com dois tipos de escada: circular, que pode descer por baixo da nave e outra cortada na parte inferior desta, porém, coincidente com a anterior, que é a que leva à parte alta da nave, convertida em sala de controles. A parte superior, que também chega num guindaste (por assim dizer) de quatro pés motorizados, igual a cobertura central, traz seu pescoço ou coroa, como queiramos chamar. Essa coroa tem janelinhas redondas em seu redor, subindo ou baixando a vontade. Ao baixar deixa, tal como as balizas de sustentação, uma superfície lisa, prolongando o formato da nave, oblonga vista de perfil. Essas janelinhas não são de observação direta, porém telas captadoras para diferentes usos. Assim, a nave já está pronta. Vêmo la agora ser examinada pelos técnicos, que testarão tudo. Contudo falta ainda o mais importante. Nessa altura a nave já se movimenta conforme a vontade dos tripulantes: sobe, baixa, movimenta-se de distintas maneiras e ângulos, mas ainda inerme.
Através de nosso ponto de observação (a tela descrita anteriormente) seguimos seus movimentos seguintes. Aproxima se agora de outro departamento, onde há umas cubas ou tinas tubulares com capacidade aproximada de duzentos litros. Uma destas se separa do grupo indo ao encontro da nave, que se aproxima a pouca altura, até ficar sobre a mesma. Tudo se move sem intervenção humana direta. A nave desce lentamente sobre esse cilindro até dar a impressão de tê lo tragado. Ao levantar se novamente, leva o em suas entranhas, ficando no solo apenas a plataforma em que era transportado, retornando esta ao seu lugar de origem. O leitor é capaz de imaginar o que seja esse cilindro? Pois, nada mais, nada menos que uma terrível arma, capaz de desintegrar tudo, absolutamente tudo de qualquer distância que se conceba. Além do mais, produz vibrações capazes de pulverizar edifícios em poucos minutos.
A parte grossa das paredes da nave mede umas dez ou mais polegadas de espessura. O material é transparente, tendo maior visibilidade em sua parte inferior, na qual, em alguns casos, vê se o giro dos volantes de suas maquinarias. São esses volantes que produzem luminiscências que aumentam ou diminuem de intensidade segundo a zona em que operam. Esses volantes giram a diferentes velocidades e os inferiores são os mais lentos.
Nossa nave, essa que seguimos os passos de sua fabricação, está semi acabada, faltando agora o polimento. Para esse processo vêmo la flutuar suavemente e dirigir se, assim, para outro departamento, até chegar e situar se no centro de uma gigantesca máquina provida de uma série de discos que giram à grandes velocidades, movendo se em todas as direções até cobrir totalmente a nave, fazendo a sumir se da nossa vista. Terminada essa operação, nossa nave está flamejante, brilhante e pronta para qualquer tipo de prova. Sai então ao espaço livre onde faz toda classe possível de testes, evolucionando de maneira incrível. “Só vendo para acreditar”, dentro de nossa mentalidade.
As naves tubulares têm dispostas duas séries de volantes em todo seu cumprimento, e segundo a sua longitude, chegam a ter até vinte em cada eixo de grandes dimensões. Uma de suas características, segundo meus amigos, quando lhes perguntei o que faziam quando perdiam, em suas incursões, algumas delas, e eles garantiram que assim acontece, é que fazem nas explodir sobre o mar depois de recolher seus tripulantes, com o objetivo de evitar que os restos caiam em mãos ambiciosas. Cada nave, todas elas, tem sua maquinaria composta de volantes de diferentes tamanhos, segundo as proporções do veículo. Acredito que no final, o princípio que utilizaremos para propulsar as naves terrenas será esse. Há um dado interessante que pode servir para nossos cientistas: de acordo com o tamanho da nave é o número e o diâmetro de seus volantes e o número de fontes de energia. No caso da pequena nave descrita acima, como dizia, não é maior que um assador de frango e a parte exterior ou cobertura está coberta de pequenas perfurações.

CAPÍTULO 6
EXAMINANDO O PASSADO
Prosseguindo com a narração, vamos dar uma olhada no processo de preparação dos alimentos. Dividi lo emos em duas partes, porque efetivamente é assim; são independentes, ou seja: uma parte do material é proveniente do mar e a outra, dos hortos de terraço. Contudo, toda alimentação é preparada em laboratórios. Comecemos com o mar. São grandes fábricas flutuantes e cada uma delas conta com viveiros formados por redes que as cercam até a grandes profundidades; há também um lugar destinado, nos viveiros, para os grandes peixes, algo que em nosso mundo vem se assemelhar a um bebedouro, só que no nosso caso do viveiro, é um lugar oxigenado. São nesses grandes viveiros que se captam os peixes para estudo e alimentação. Nessa mesma zona os peixes são alimentados com dietas especiais que proporcionam magníficos resultados. Durante todo o tempo que fiquei a observar o processo através daquela tela no edifício descrito anteriormente, não vi ser industrializado nenhum peixe com menos de dois metros, mas, não foram poucos os que mediam mais de quatro metros. Também não vi várias espécies, como existem em nossos mares da Terra. Todos os que vi sendo capturados tinham a figura de um gigantesco salmão, de branca e sugestiva carne. Esses enormes peixes passam, em seguida, por todo um processo que me pareceu maravilhoso. Ao final do mesmo, saíam convertidos numa impalpável farinha. Com isso já temos uma das matérias primas.
Como disse, a outra matéria é proveniente dos hortos de terraço. Vamos explicar melhor. Eles conseguiram criar e desenvolver um tipo de fruta, geralmente redonda e não maior que uma laranja pequena. como as nossas frutas carnosas, mas sem fibras. Sua casca é fina como a da ameixa, mas sem caroço. Assim tinham me dito e eu comprovei depois. Para resumir, essas frutas também acabam convertidas em finíssima farinha. A seguir ambas as farinhas são convertidas em líquido, sendo transportado aos laboratórios através de um sistema de tubulação e dali aos locais de consumo.
Foi num desses edifícios onde também vi o processo de construção dos mesmos. Meus dois amigos asseguraram me que naquele planeta haviam mais indivíduos da minha raça. Ao entrar no mesmo, dei me conta que o edifício estava crescendo ou despregando-se do solo. Explicaram me que só o estavam aumentando. Seu processo de aumentar edifícios é inverso do nosso na Terra, coisa por demais lógica, pois, eles usam os terraços como horto e campo de pouso para naves. Para que eu pudesse ver, ao natural, o processo de aumento de edifício, levaram me ao porão, lugar onde se leva a cabo essa operação. Percebi então, que esses não são mais que ruas subterrâneas, através das quais transitam veículos que movem os materiais destinados a construção. Também é por aí que correm grossas tubulações negras, através das quais, são transportadas roupas, alimentos e tudo que é necessário para seus habitantes. Mas sigamos com o edifício. A todos os porões atravessam umas colunas de umas vinte polegadas de espessura e são essas que formam as armações para os edifícios. No lugar em que nos encontrávamos, tudo estava pronto para ser aumentado. Em cada uma das colunas está colocado um macaco com formato de meia cana, abraçado à mesma, presa por meio de umas ranhuras. Esses ganchos compõem-se de várias seções interiores; são pneumáticos e conectam se em uniões flexíveis. Quando tudo está pronto, uma pequena máquina aplica uma força em todos e o edifício levanta se sobre eles. Os lances ou segmentos de coluna, com uns dois metros de altura, por umas vinte polegadas de espessura, são maciços e em cada canto têm um acoplamento que se ajusta com precisão. São sumamente levianos, a ponto de alguém poder levá los debaixo do braço. Colocamnos um a um em cada buraco à mostra ao levantar o edifício, ficando firmemente presos ali. Depois, tiram a força dos ganchos e o edifício baixa, ficando aumentado. Entram em cena agora os rematadores que colocam a caixa dos elevadores, unidades autônomas providas de rodinhas em seus lados, que rodam num cubo, acoplado em seções, semelhante as colunas. Não usam os perigosos e desajeitados cabos. Na parte exterior, só desliza a cobertura em forma de arco e o oco à descoberto é recheado. Saem os aparelhos carregados de material. Éum verdadeiro espetáculo ver se um daqueles homenzinhos, comodamente sentado em cima de um aparelho que me lembra uma aranha gigante e de assombrosa maneabilidade. Acerca se com segurança do lugar exato com seu rolo de material. Outro homem montado num aparelho semelhante, mas sem rolo algum e só provido de um pequeno instrumento que sujeita com u’a mão, ajustando com a outra o extremo do material no lugar em que será soldado, por que é isso que fazem, nem mais nem menos. Com os pés movem os controles de seus aparelhos que o sobe e desce em seu cômodo assento. Quando o extremo do rolo trazido pela primeira máquina ficou preso, os dois aparelhos caminham, um levando o rolo e o outro soldando o em seu lugar. Assim em menos tempo que levo para contar isso, eles terminam sua tarefa.
Pois bem. Tudo o que vi aqui, pessoalmente, vi de novo, depois, num dos edifícios de controle, só que aqui, em forma de projeção, estudando o trabalho realizado em diferentes ângulos, algo que é interessante pelos detalhes que mostra. Ainda nesse mesmo edifício de controle localizaram e falaram com os dois outros terrestres e prontificaram se em fazer uma entrevista com eles, algo que serviu para aquilatar o grau de eficiência de suas comunicações. Comprovei depois, que os dois indivíduos da Terra estavam no outro lado do planeta, algo assim como do México a China. Ficaram sabendo que os dois não eram espanhóis, mas franceses que tinham chegado ao planeta cinco anos antes.
Num desses edifícios também pude admirar algo que me chamou a atenção. Era algo relacionado com o seu passado e seu sistema de transportes e alimentação. 0 primeiro referia se a uma bola transportadora e foi o tipo que culminou em eficiência e rapidez. Depois dela, veio o transporte aéreo capaz de cobrir grandes distâncias. Esse meio passou a história. Tratava se de uma bola gigante, maior que a nave esférica que usamos. Dividia se em três seções, e as duas uniões que a fechavam, era sua superfície de rolamento. Circulava nuns canais que alojavam mais da metade do transporte. Em razão de sua enorme circunferência, devia alcançar grandes velocidades, pois os trilhos eram sumamente lisos. Porém a coisa não pára aí. Podia se chamar a esse meio de transporte “velocidade por inércia”, pois não usavam qualquer tipo de propulsão. Meus amigos fizeram me uma demonstração com um modelo pequeno e o vi subir a uma altura de quatro metros. Teria subido quinhentos se, a demonstração não terminasse aí. As estações de paradas eram cubos do mesmo diâmetro que a bola, parando pela ação do ar que era comprimido dentro dele. Esse cubo, ou túnel, estava provido de comportas e válvulas para dar saída ao aparato.
Outra coisa que me chamou a atenção foi seu primitivo meio de produzir legumes em tempos remotos. Eles tinham me dito que houve uma época em que cultivaram maior número de legumes que nós conhecemos. Assim, quando tive oportunidade, perguntei-lhe’, se não haveria maneira de conhecer os meios que se valiam para consegui lo. Como tínhamos pouco tempo disponível, entramos num edifício de controle, buscando uma reprodução daquele antigo meio. Disseram me que veria ali em modelo, mas que me demonstrariam depois se houvesse tempo. Produziam legumes perfurando o solo na profundidade que quisessem. Ali faziam cortes em circunferência, dando uma forma de ângulo ou de repiso, de modo a parecer uma série de cones superpostos com a parte estreita para cima. Esse tipo de horta possuía várias janelas, sendo que a principal colocava os legumes ali cultivados a salvo dos raios solares, por que naquele tempo ainda não sabiam se proteger dos mesmos. A segunda vantagem desse sistema era que, numa superfície pequena, conseguiam grandes produções e com pouco esforço, já que desde os tempos primitivos usavam com eficiência sistema de elevadores. Segundo meus amigos eles tiveram hortas desse tipo, com centenas de pisos.
Relatarei agora algumas coisas relacionadas com o mar. Começarei com alguns modelos de barco. Dizia antes que eles não se parecem com os nossos. Mais de uma vez cheguei a pensar que a diferença entre os deles e os nossos veículos marítimos deve se ao fato de o mar daquele planeta ser mais denso ou mais leve. Não perguntei isso a meus dois amigos, por que quando lá estava não tinha me ocorrido essa hipótese. Percebi um modelo, cujo casco era plano, mais semelhante a um lanchão rudimentar de lento velejar que um navio de grandes velocidades. Esse tipo foi desenhado para cargas, e compõe se de galerias que correm em seu comprimento, havendo entre uma e outra, uma parede fechada e oca, cujas seções estão recheadas de um material flutuante. Havia tantas dessas paredes quanto de largo tivesse o barco. Sua forma exterior é aguçada nos extremos como se duas de nossas embarcações fossem unidas em suas partes abertas. Não há perigo de naufrágio, pois, como disse, têm paredes flutuantes, externas e internas. Esse tipo de embarcação não se limitava ao mar, por que estava construído de tal maneira que, finda a travessia marítima, seguiria por chão firme, pois, sua cobertura exterior está repleta de rodinhas propulsoras dispostas em canais horizontais, assomando se entre estes, terminais por onde sai a água sob pressão que propulsiona o veículo sobre o líquido. Cada rodinha dessas forma uma unidade independente, que, quando na água, converte se também em bomba. Esse tipo havia em todos os tamanhos imagináveis, mas, sempre guardando o mesmo estilo. Toda a parte superior é coberto de comportas por onde são carregados, usando guindastes que cobriam toda sua extensão. Essas naves tiveram um papel muito importante na alimentação do povo, pois com elas transportavam o pescado, base da sua alimentação. Para que compreendamos melhor, antes de descrever outro tipo de embarcação, vou fazê lo com as habitações marinhas.
Essas compunham se de urna série de tubulões fechados em seus extremos e dispostos lado a lado, semelhante a uma balsa. Sobre essa tarimba havia uma cobertura de malha resistente. E sobre esta vinham as moradias em forma de bolha, distribuídas convenientemente. Da mesma forma contavam com um pátio onde criavam aves domésticas e cultivavam legumes especialmente desenvolvidos para esse meio. No centro dessa “balsa”, havia pequenas torres, com as quais, sem dúvida, faziam contato com os da terra firme ou com seus vizinhos, pois, conforme meus amigos, havia colônias perfeitamente distribuídas sobre o mar. Cada unidade dessas, contava ainda com uma pequena embarcação para pescar: possuíam um tanque especial, flutuante, onde depositavam o produto da pesca, ficando à espera das grandes embarcações que por ali passavam para recolher o que faziam de forma por demais prática. Esses tanques estavam dotados de pegadores; especiais em sua parte superior. A embarcação chegava e simplesmente esticava o braço do seu guindaste, alçando o e levando o para uma de suas comportas. Movia um dispositivo de sua parte inferior e o conteúdo do tanque caía diretamente dentro das comportas, retornando aquele ao seu lugar em seguida.
Entre essas colônias marítimas havia embarcações especiais encarregadas de provê Ias de produtos que não produziam em suas hortas flutuantes. Existia também umas espécies de torres marinhas que estiveram em uso antes que enchessem seu mar de edifícios. Foram usadas para rádio e televisão nos albores dessa ciência. Essas torres compunham se de urna armação em forma de cones unidos por suas bases, levando em sua união, isso é, no centro da torre, uma massa de flutuadores na qual se apoiavam. Essas torres estavam alinhadas marcando as rotas para suas embarcações, isso quando seu mar estava despovoado. Não serviam exclusivamente de sinalizadores, mas também, de estações de recreio para os viajantes marítimos. Eram providas de contrapeso e âncora. O contrapeso mantinham nas na vertical. As âncoras por sua vez, um dos tipos usados, era de forma esférica eriçadas de lancetas que se projetavam ou recolhiam de acordo com a vontade dos operadores. Um outro tipo poderíamos chamar de “rabo de porco” por que se assemelhava a isso. Em sua ponta havia uma verruma para penetrar profundamente no solo marinho. Determinada a profundidade, eriçavam-se as espigas impedindo seu retrocesso. Não usavam correntes de metal ou de ferro. Substituíam nas por algo que poderíamos chamar “plástico”, composto de grande número de mangueirinhas, algo assim, unidas entre si, aumentado a espessura do material de acordo com sua quantidade, de modo semelhante aos nossos cabos de aço, mas sem ser torcido.

CAPÍTULO 7
UM VÔO SOBRE VÊNUS
Examinaremos agora o tipo das embarcações elegantes, que resultaram do avanço do sistema marítimo, nascendo aí os vários tipos de naves aéreas usadas atualmente. Vamos fazer de conta que tomamos dois, três ou quatro corpos de nossos modernos aviões, colocando os paralelamente ou em separado, e sobre eles, coloquemos uma das modernas naves circulares que usam. O resultado disso é suas fantásticas embarcações de luxo, espécie de imaginado e fantástico catamarã. Não há dúvida que foram eficientes e bonitas. Por esse desenho nasceram as naves aéreas, por que atualmente são parecidas não só em suas seções inferiores, como também a parte superior tem grande semelhança com suas modernas e gigantescas naves circulares. Antes que me esqueça, vou relatar algo de grande importância, vital para o mundo estandartizado: os sanitários.
Não há um só edifício que não os tenha, alojados entre arco e arco e no sub solo de todos eles. Quando ninguém está usando, estão à vista. Mas basta uma pessoa aproximar se um metro e meio deles, para que desapareçam dentro de uma cortina de obscuridade intensa, tal como a que protege as camas nos dormitórios. A superfície tem o formato de manga (fruta); na parte superior tem o formato ovóide agudo Usa se escarranchado e se ajusta com precisão, feita de um material mole. Para o asseio estão providos, no lado direito, de um pequeno gancho, que linchando para baixo, descarrega uma chuva miúda e intensa que não só asseia como também refresca. Em seguida, forma se um vácuo que seca de modo perfeito.
... Mas sigamos nosso caminho em busca dos terrestres. Tivemos que tomar um tipo de nave diferente das que já conhecia. Para chegar ao terraço onde estava esse tipo de nave tivemos que tomar um “ônibus”, e aqui foi um caso sério. Esses veículos são feitos de modo que os assentos, em sua parte posterior, também sirvam de apoio para os pés para quem vem sentado no banco de trás. No meu caso, além de meter os pés, tive que meter a cabeça... roguei a Deus que chegássemos ao nosso destino. Por fim, descemos e fomos por um corredor subterrâneo, no qual tinha que estar atento a minha cabeça. Chegamos a uma calçada rolante, dali ao entre-solo de um edifício uma biblioteca de onde seguimos para o terraço. Meus amigos prometeram que na volta visitaríamos a mesma.
Havia três naves, pelo menos foi o que me disseram, por que para mim, não era outra coisa que três gigantescas e brilhantes esferas, com pelo menos cinco metros de circunferência. Caminhamos por uma passagem entre pequenas e cheirosas árvores e grossos postes negros, onde estavam pousadas as naves. Quando nos aproximamos, um tubo desceu da mesma, abriu se uma seção, ficando à mostra uma série de escalões semi circulares, pelos quais subimos até chegar a metade superior da nave. Esse elevador forma parte da cabine dos controles. Em forma circular, fazendo parte da parede exterior, há assentos com encostos e cintas para o abdômen e pernas, onde, em virtude do meu tamanho, ficava mais ajustado que meus dois companheiros. Senti me novamente como dentro de uma esponja, mas de modo agradável.
Na cabine havia um homem. Apesar dos homens e mulheres vestirem se iguais, há um não sei o que neles que a gente sabe quando é um ou é outro. E o indivíduo da cabine era homem. Meus amigos sopraram, em seu idioma, algo aos ouvidos do homem da cabine. Este, após observar que estávamos adequadamente acomodados, manobrou a nave, ganhando altura em forma vertical. A nave era de material transparente, quase como cristal, percebendo se que suas paredes são grossas. Sua espessura faz com que a gente veja as coisas de fora, meio difusas, semelhante como se estivéssemos olhando através de uma parede de meio metro de vidro. Quando chegamos a altura de vôo, disparamos numa velocidade vertiginosa. Imediatamente sinto enjôo. Solícitos, meus amigos me atendem, aconselhando me recostar a cabeça sobre o encosto, fechando os olhos e aspirando com força o meu “charuto de borracha”, contendo a respiração pelas fossas nasais. Coisa estranha: logo fico bom.
Meus amigos me explicaram que o “charuto” que tinha na boca era uma espécie de filtro que apressava minha respiração dando me o oxigênio necessário. O ambiente dentro daquela nave, para mim, para meus pulmões, era pesado. Por sorte tudo passou. Passamos por uma extensíssima zona, onde todas as construções estavam dispostas em forma circular, mas a cor ou cores, eram as mesmas que já conhecemos. Explicaram me que ali era uma espécie de cidade infantil, um lar coletivo, detalhando me desde a zona de maternidade, os círculos exteriores, até chegar aos círculos interiores. Cada edifício estava rodeado de grandes extensões livres, convertidas em parques de recreação. Ali vive se também a vida normal do resto do mundo. Gostaria de visitá la e conheceIa em detalhes, mas creio que não haveria tempo, e, acreditavam meus amigos que isso não tinha maior importância.
Voltamos a acelerar a velocidade, para, pouco tempo depois, voar sobre outra zona, semelhante a anterior em sua distribuição, mas diferente em seu aspecto. Era um conjunto de edifícios prateados, reluzentes, onde os raios projetados do céu chocavam se e fragmentavam se em milhares de outros pequenos raios, dispersando se em todas as direções, dando ao conjunto uma visão maravilhosa. Essa era, nada mais nada menos, que urna zona de investigações. Descemos lentamente, porque o lugar está tornada de naves de todas as formas e tamanhos, que se cruzam a diferentes alturas e velocidades. Aquilo era maravilhoso, espetacular. Conforme descíamos, viam se os detalhes. Aquilo se converteu num espetáculo tão maravilhoso que é difícil, e não acredito que alguém seja capaz de conceber. O simples fato de perder altura lentamente. dava me, a sensação de estar caindo de pára quedas. Começamos a distinguir uns charutos gigantescos, fantásticos, negros, reluzentes, da mesma cor daquela nave circular que me trouxe a esse mundo de. maravilhas, só que, pelo menos, quatro vezes maior. Pousamos suavemente sobre o nariz de um deles. Descemos pela mesma escada, mas agora não havíamos baixado o tubo que a contém, mas sim, abriuse uma seção a sua frente, da mesma forma que em nossa pequena nave, a primeira que abordei contrariando meu próprio temor que, ao recordar agora, me parece um sonho fantástico. No lugar onde descemos, no nariz desse colosso, é plano e coberto em toda sua longitude de nervuras estreitas. Não há lugar que não leve a vista que não esteja repleto desses monstruosos aparelhos. Calculo que medem uns quatrocentos metros de comprimento por uns cincoenta de largura. A visão é tão fantástica que penso que, se em nosso mundo aparecesse um monstro desses levaria pânico, inclusive com tragédias. Explicaram me que eram naves mães, assegurando me que me interessaria saber para que lugar se destinavam. Iam me conceder o privilégio de conhecer o interior de urna delas.
Então, frente a nós levantou se urna tampa medindo uns vinte metros de comprimento por uns trinta e cinco de largura, deixando às nossas vistas um tobogã. Dentro havia tanta iluminação como nos edifícios que conhecera. O tobogã estava coberto por canais que penetravam naquela cova alucinante. A parte alta desses trilhos são lisos e polidos, mas os canais são macios, como uma grossa almofada. Internamo nos por um deles e não tenho palavras para descrever a sensação que me invadiu. Pareceu me mais impressionante do que quando entrara na nave mãe ancorada no espaço lá no meu longínquo mundo. Mas a surpresa estava mais adiante...

CAPITULO 8
ENCONTRO COM OS FRANCESES
Andamos por uns cem metros até depararmo nos com dois grandes círculos, que me pareceram dois grandes e fantásticos olhos de uma fera mitológica; olhos saltados como duas cúpulas de igreja projetadas em nossa direção. Mas aquilo, disposto no imenso oco da nave, como dois seios de mulher, não eram outra coisa que duas naves. Nem mais nem menos. Naves que, no dizer de meus amigos, eram automáticas, não necessitando de tripulação alguma. Naves que, sem cair em exageros, eram verdadeiros cérebros eletrônicos providos de grande número de olhos, ouvidos e narizes.
Essas naves eram destinadas à exploração, capazes de captar sons e imagens além de absorver amostras de materiais. E o gigantesco charuto voador era o tipo mais indicado de nave para levar aquelas menores ao seu destino. A que estávamos visitando possuía duas fileiras de sessenta naves automáticas totalizando ao final, cento e vinte. Nessa zona de investigações havia milhares dessas gigantescas e algumas, raras, com cabeça em agudo V.
Como lamentei ser tão pobre de instrução! Como desejei ter capacidade suficiente para relatar essa maravilhosa oportunidade brindada pelo destino. Mas, que vamos fazer?! AIguns me consoIam dizendo que tenho que me conformar. Mas aí está o problema. Não sou pessoa de me conformar com as coisas, lutando sempre contra as peças que o destino queira me pregar. Enfim, deixemos o lero lero de lado e vamos recordar o passeio por aquela maravilhosa zona...
Num dos edifícios que estava debaixo do ventre daquela gigantesca nave saímos ao seu terraço. Nessa zona não há árvores, nem postes de estacionamento. Aqui as naves descansam diretamente sobre o maciço dos terraços. Pegamos o elevador e descemos até um dos pavimentos intermediários. Como os dois franceses viviam e trabalhavam ali, meus amigos me haviam dito que era naquele edifício. Logo que os vi, reconheci como o produto anacrônico de nosso mundo disforme. Agora tinha a oportunidade de comparar meus dois amigos com um tipo da minha raça. Maior foi o contraste obtido. Os dois eram gorduchos, disformes, desproporcionais... é o que me pareceu nessa comparação. Enfim, os dois eram irmãos gêmeos, filhos de uma união de pai francês com mãe espanhola, nascidos e criados numa possessão francesa do outro lado do Mediterrâneo. Não falam espanhol, pois ficaram órfãos de mãe quando pequenos, assimilando o idioma paterno. De acordo com os padrões terrestres, têm boa estatura. É curioso observá los junto aos pequenos e limpos habitantes daquele fantástico mundo, pois, enquanto estes têm corpo liso, sem cabelos, exceto na cabeça, nossos conterrâneos parecem se com orangotangos pela sua aparência. O corpo era coberto de pelos. Só o rosto estava limpo, graças a um creme que inventaram e que usam para barbear se. No resto do corpo, os pelos estão adquirindo uma cor de chumbo. Na cabeça, o cabelo está cortado de modo semelhante aos habitantes que os cercam. Ainda que bastante parecidos, a desproporção é notória. São indisciplinados. Não vivem como os demais, trajando só um calção curto. Essa é toda sua indumentária. Dizem que a roupa usada pelos outros é incômoda. Através de interpretação, meus amáveis cicerones asseguraram me que já estavam ali mais de cinco anos, onde só tinham ido de visita. Vangloriavam se eles de possuir pulmões maravilhosos que, em pouco tempo, conseguiram adaptar se ao pesado clima ali reinante. Disseram também que lutaram na guerra (a II) e que agora para eles a nossa vida na Terra é aborrecida e estúpida. Perguntei lhes, então, se tinham conseguido aprender a língua deles. Responderam me que nenhuma palavra, mas que, em compensação, todos ali daquele edifício já aprenderam o francês. Despedimo nos e voltamos a nossa esférica nave pelo mesmo caminho. Havia ficado intrigado com a sua biblioteca e pedi que me levassem para visitá la. Mas eles, como suma cortesia, disseram me que tínhamos que deixar para depois, por que era tempo de descanso e de comida. Novamente conformei me só em olhar a biblioteca desse edifício quando descíamos. Não tomamos nenhum veículo, mas nesse fantástico mundo com sua maneira de viver, tanto fazia comer num lado do planeta quanto no outro. Portanto, caminhamos algumas quadras até encontrar um restaurante. Satisfeitos com tão riquíssimo alimento, algum tempo ficamos em conversa fiada, contra o costume deles, mas que, agora me desculpavam.
Novamente saímos a rua. O grau de luz natural não decrescia e tampouco aumentava. Era novidade para mim ver que em todas as horas entra e sai gente de toda classe de lugares. Não se vê nenhum relógio, nem nada que pudesse medir o tempo. Isso não tem importância para eles. Se alguém tem fome entra num restaurante e come. Se tem sono, entra num dormitório e dorme. Se quer divertir se, procura o edifício de diversão. Ninguém fiscaliza, segundo meus amigos. Com cinco minutos de cada hora que vivem convertidos em algo para benefício da coletividade, é suficiente para pagar aquele monte de comodidades.
Desfrutando o espetáculo que me rodeava, deixei me levar pelos meus amáveis cicerones que, com interesse pouco comum entre nosso meio terrestre, atendiam me até nos mínimos detalhes, coisa que, por momentos, me fazia parecer insignificante, dando me a impressão que só me davam corda para ver se eu me engrandecia ou se me fazia de importante, Algumas vezes, contristado, perguntava lhes se me comportava de maneira adequada aos seus costumes. Eles quase sempre me respondiam que estavam felizes de andarem comigo e observarem minha maneira de ser e de reagir ante o que via. Chegamos a um edifício, hotel ou dormitório, como quiserem. Meus amigos me explicaram que havia três tipos: para solteiros, para solteiras e para casados, não se diferenciando uns dos outros em grandes coisas. Aqui, tal como nos outros lugares visitados, há dois lados cobertos de elevadores e dois repletos de arcos e de passagens livres nos sub solos. Mas aqui vejo unia diferença: nos lados onde estão os elevadores, num espaço como de dois metros e ao longo de todo o edifício, há tantas fileiras de lâmpadas ou luzinhas quantos andares tenha o prédio e cada um desses pequenos pontos luminosos marca um corredor ou uma ala, por que ali não se usam quartos. Nós buscávamos três camas vazias juntas. Assim, pela fileira, sabíamos a que andar nos dirigir e pela lâmpada, a que ala. Assim que a décima segunda fileira, por exemplo, assinalava que havia camas vazias, subíamos esse número de andares, e ao ali chegarmos, ficamos num corredor que dava para a direita e esquerda. A esse corredor convergiam as entradas de outra série de corredores, em cuja entrada havia também pequenas luzes assinalando a existência de camas vazias. Chegamos ao que nos interessava. Como havia alguns acesos e outros, no meio, apagados, queria isso dizer que teríamos que passar próximo a camas ocupadas até chegarmos onde queríamos. Antes de entrar, é necessário desnudar se totalmente. Meus amigos começaram a fazê lo indicando me que fizesse o mesmo. Nas paredes do lado direito e esquerdo, há umas aberturas alargadas. Colocamos as roupas na da direita desaparecendo de nossas vistas. Ficamos nus em pelo. Meus amigos indicaram me o caminho... mas.,.. diabos!... estavam me preparando alguma brincadeira? Não havia dado dez passos quando senti que me crivaram com uma espécie de chuva vaporizante, tépida e agradável. O intempestivo bombardeio produziu me uma reação desagradável e tratei de me livrar, retrocedendo. Mas atrás estavam meus amigos esperando o resultado de sua brincadeira, e com força incrível me empurraram, obrigando me a seguir adiante. Não bem havia passado essa úmida recepção entrei noutra, ainda mais desagradável. Agora senti como se estivessem me succionando ou formando um vazio ao meu redor, desprendendo de mim até a mínima partícula de sujeira, produzindo uma incrível sensação de limpeza e frescor.
Quando passei por tudo isso não tive outro jeito que dar uma risada. como que dando a entender que aquilo não me impressionara. Mas não enganei ninguém... Nem a mim mesmo! Nesses corre dores dormitórios emprega se um sistema que me pareceu maravilhoso e prático. Eles tem um domínio absoluto sobre a luz e a obscuridade. Esse sistema já o vimos nos sanitários, de modo que não o desconhecia, mas ignorava que também era empregado nos dormitórios. Portanto, vou tratar de explicar. As camas, como as da nave, são guarnições providas de um material grosso e poroso, e como prateleiras, estão presas à parede. Nesses dormitórios, próximo de cada cama e ao alcance de seus pequenos braços, há um pequeno botão que, girando para a esquerda ou para a direita, produz luz ou obscuridade espessa, tão espessa que dá a impressão de ser um muro negro e impenetrável.
Quando já estávamos em nossas camas, meus amigos me instruíram o manejo daquilo, que, acionado, cobre de obscuridade só o espaço ocupado pela cama, como se descesse uma grossa e negra cortina, colocando aquele leito fora da curiosidade dos demais. Já deitado, acionei o botão várias vezes para me assegurar de sua efetividade. Mas, perdido naquela pequena escuridão, desaparecia tudo. Sentia estar numa ilha coberta de espessas trevas. Invadiu-me uma espécie de sopor que me convidava a abandonar todo pensamento alheio que não fosse dormir e descansar.
O despertar foi tranqüilo e de grande satisfação. Senti a mente descarregada, leve, e por momentos fiquei desfrutando daquela comodidade indescritível. Sentia me cheio de vigor, e com vontade de trabalhar, de gastar a energia que se agitava em meu corpo, fazendo me sentir jovem, muito jovem. Foi então que aprendi por que eles não obrigam ninguém a trabalhar. Sem dúvida, com aquela alimentação e esse repouso, qualquer um sente desejos de trabalhar e de gastar energia. Quando iluminei minha cama, descobri que meus amigos estavam acordados e entretidos, usando uns pequenos instrumentos existentes entre cama e cama. Esse aparelho não é maior que um relógio de pulso, pendendo da parede através de um cordão liso e elástico que o recolhe e o sujeita quando é usado ou não. No aparelho, uma diminuta tela e microfone, tendo à borda, um botão. Meus amigos se reportavam e pediam instruções, e na tela, pude reconhecer claramente um dos chefes e ouvir sua característica voz. Meus amigos me disseram que tínhamos tempo disponível e que íamos aproveitá lo adequadamente. Assim que nos dirigimos à saída, passando novamente pelos inevitáveis banhos, que agora achei agradável, vi ao nível do pavimento uma fenda onde a gente coloca o pé. Sente se uma sensação de cócegas e quando retiramos, as unhas estão cortadas e polidas.
O mesmo fizemos com outra fenda a altura de uni metro e meio, onde a operação aconteceu com as mãos.
Aqui vinha outra peça de meus bons amigos. Dá a casualidade de que ainda não tinha me vestido até essa altura, e portanto, desconhecia as características da sua roupa. Chegamos a um lugar onde as retirávamos, no buraco em frente onde tínhamos deixado na hora que fomos dormir. Eles pegaram uma ao acaso e começaram a se vestir sem dar importância ao que me acontecia. Por mais que buscava e rebuscava não encontrava nada que me servia. Creio que estava a ponto de chorar e eles a rir. A maior camisa que achei apenas cobriria um de meus pequenos filhos. As calças, nem se fala, então...

CAPITULO 8
ENCONTRO COM OS FRANCESES
Andamos por uns cem metros até depararmo nos com dois grandes círculos, que me pareceram dois grandes e fantásticos olhos de uma fera mitológica; olhos saltados como duas cúpulas de igreja projetadas em nossa direção. Mas aquilo, disposto no imenso oco da nave, como dois seios de mulher, não eram outra coisa que duas naves. Nem mais nem menos. Naves que, no dizer de meus amigos, eram automáticas, não necessitando de tripulação alguma. Naves que, sem cair em exageros, eram verdadeiros cérebros eletrônicos providos de grande número de olhos, ouvidos e narizes.
Essas naves eram destinadas à exploração, capazes de captar sons e imagens além de absorver amostras de materiais. E o gigantesco charuto voador era o tipo mais indicado de nave para levar aquelas menores ao seu destino. A que estávamos visitando possuía duas fileiras de sessenta naves automáticas totalizando ao final, cento e vinte. Nessa zona de investigações havia milhares dessas gigantescas e algumas, raras, com cabeça em agudo V.
Como lamentei ser tão pobre de instrução! Como desejei ter capacidade suficiente para relatar essa maravilhosa oportunidade brindada pelo destino. Mas, que vamos fazer?! AIguns me consoIam dizendo que tenho que me conformar. Mas aí está o problema. Não sou pessoa de me conformar com as coisas, lutando sempre contra as peças que o destino queira me pregar. Enfim, deixemos o lero lero de lado e vamos recordar o passeio por aquela maravilhosa zona...
Num dos edifícios que estava debaixo do ventre daquela gigantesca nave saímos ao seu terraço. Nessa zona não há árvores, nem postes de estacionamento. Aqui as naves descansam diretamente sobre o maciço dos terraços. Pegamos o elevador e descemos até um dos pavimentos intermediários. Como os dois franceses viviam e trabalhavam ali, meus amigos me haviam dito que era naquele edifício. Logo que os vi, reconheci como o produto anacrônico de nosso mundo disforme. Agora tinha a oportunidade de comparar meus dois amigos com um tipo da minha raça. Maior foi o contraste obtido. Os dois eram gorduchos, disformes, desproporcionais... é o que me pareceu nessa comparação. Enfim, os dois eram irmãos gêmeos, filhos de uma união de pai francês com mãe espanhola, nascidos e criados numa possessão francesa do outro lado do Mediterrâneo. Não falam espanhol, pois ficaram órfãos de mãe quando pequenos, assimilando o idioma paterno. De acordo com os padrões terrestres, têm boa estatura. É curioso observá los junto aos pequenos e limpos habitantes daquele fantástico mundo, pois, enquanto estes têm corpo liso, sem cabelos, exceto na cabeça, nossos conterrâneos parecem se com orangotangos pela sua aparência. O corpo era coberto de pelos. Só o rosto estava limpo, graças a um creme que inventaram e que usam para barbear se. No resto do corpo, os pelos estão adquirindo uma cor de chumbo. Na cabeça, o cabelo está cortado de modo semelhante aos habitantes que os cercam. Ainda que bastante parecidos, a desproporção é notória. São indisciplinados. Não vivem como os demais, trajando só um calção curto. Essa é toda sua indumentária. Dizem que a roupa usada pelos outros é incômoda. Através de interpretação, meus amáveis cicerones asseguraram me que já estavam ali mais de cinco anos, onde só tinham ido de visita. Vangloriavam se eles de possuir pulmões maravilhosos que, em pouco tempo, conseguiram adaptar se ao pesado clima ali reinante. Disseram também que lutaram na guerra (a II) e que agora para eles a nossa vida na Terra é aborrecida e estúpida. Perguntei lhes, então, se tinham conseguido aprender a língua deles. Responderam me que nenhuma palavra, mas que, em compensação, todos ali daquele edifício já aprenderam o francês. Despedimo nos e voltamos a nossa esférica nave pelo mesmo caminho. Havia ficado intrigado com a sua biblioteca e pedi que me levassem para visitá la. Mas eles, como suma cortesia, disseram me que tínhamos que deixar para depois, por que era tempo de descanso e de comida. Novamente conformei me só em olhar a biblioteca desse edifício quando descíamos. Não tomamos nenhum veículo, mas nesse fantástico mundo com sua maneira de viver, tanto fazia comer num lado do planeta quanto no outro. Portanto, caminhamos algumas quadras até encontrar um restaurante. Satisfeitos com tão riquíssimo alimento, algum tempo ficamos em conversa fiada, contra o costume deles, mas que, agora me desculpavam.
Novamente saímos a rua. O grau de luz natural não decrescia e tampouco aumentava. Era novidade para mim ver que em todas as horas entra e sai gente de toda classe de lugares. Não se vê nenhum relógio, nem nada que pudesse medir o tempo. Isso não tem importância para eles. Se alguém tem fome entra num restaurante e come. Se tem sono, entra num dormitório e dorme. Se quer divertir se, procura o edifício de diversão. Ninguém fiscaliza, segundo meus amigos. Com cinco minutos de cada hora que vivem convertidos em algo para benefício da coletividade, é suficiente para pagar aquele monte de comodidades.
Desfrutando o espetáculo que me rodeava, deixei me levar pelos meus amáveis cicerones que, com interesse pouco comum entre nosso meio terrestre, atendiam me até nos mínimos detalhes, coisa que, por momentos, me fazia parecer insignificante, dando me a impressão que só me davam corda para ver se eu me engrandecia ou se me fazia de importante, Algumas vezes, contristado, perguntava lhes se me comportava de maneira adequada aos seus costumes. Eles quase sempre me respondiam que estavam felizes de andarem comigo e observarem minha maneira de ser e de reagir ante o que via. Chegamos a um edifício, hotel ou dormitório, como quiserem. Meus amigos me explicaram que havia três tipos: para solteiros, para solteiras e para casados, não se diferenciando uns dos outros em grandes coisas. Aqui, tal como nos outros lugares visitados, há dois lados cobertos de elevadores e dois repletos de arcos e de passagens livres nos sub solos. Mas aqui vejo unia diferença: nos lados onde estão os elevadores, num espaço como de dois metros e ao longo de todo o edifício, há tantas fileiras de lâmpadas ou luzinhas quantos andares tenha o prédio e cada um desses pequenos pontos luminosos marca um corredor ou uma ala, por que ali não se usam quartos. Nós buscávamos três camas vazias juntas. Assim, pela fileira, sabíamos a que andar nos dirigir e pela lâmpada, a que ala. Assim que a décima segunda fileira, por exemplo, assinalava que havia camas vazias, subíamos esse número de andares, e ao ali chegarmos, ficamos num corredor que dava para a direita e esquerda. A esse corredor convergiam as entradas de outra série de corredores, em cuja entrada havia também pequenas luzes assinalando a existência de camas vazias. Chegamos ao que nos interessava. Como havia alguns acesos e outros, no meio, apagados, queria isso dizer que teríamos que passar próximo a camas ocupadas até chegarmos onde queríamos. Antes de entrar, é necessário desnudar se totalmente. Meus amigos começaram a fazê lo indicando me que fizesse o mesmo. Nas paredes do lado direito e esquerdo, há umas aberturas alargadas. Colocamos as roupas na da direita desaparecendo de nossas vistas. Ficamos nus em pelo. Meus amigos indicaram me o caminho... mas.,.. diabos!... estavam me preparando alguma brincadeira? Não havia dado dez passos quando senti que me crivaram com uma espécie de chuva vaporizante, tépida e agradável. O intempestivo bombardeio produziu me uma reação desagradável e tratei de me livrar, retrocedendo. Mas atrás estavam meus amigos esperando o resultado de sua brincadeira, e com força incrível me empurraram, obrigando me a seguir adiante. Não bem havia passado essa úmida recepção entrei noutra, ainda mais desagradável. Agora senti como se estivessem me succionando ou formando um vazio ao meu redor, desprendendo de mim até a mínima partícula de sujeira, produzindo uma incrível sensação de limpeza e frescor.
Quando passei por tudo isso não tive outro jeito que dar uma risada. como que dando a entender que aquilo não me impressionara. Mas não enganei ninguém... Nem a mim mesmo! Nesses corre dores dormitórios emprega se um sistema que me pareceu maravilhoso e prático. Eles tem um domínio absoluto sobre a luz e a obscuridade. Esse sistema já o vimos nos sanitários, de modo que não o desconhecia, mas ignorava que também era empregado nos dormitórios. Portanto, vou tratar de explicar. As camas, como as da nave, são guarnições providas de um material grosso e poroso, e como prateleiras, estão presas à parede. Nesses dormitórios, próximo de cada cama e ao alcance de seus pequenos braços, há um pequeno botão que, girando para a esquerda ou para a direita, produz luz ou obscuridade espessa, tão espessa que dá a impressão de ser um muro negro e impenetrável.
Quando já estávamos em nossas camas, meus amigos me instruíram o manejo daquilo, que, acionado, cobre de obscuridade só o espaço ocupado pela cama, como se descesse uma grossa e negra cortina, colocando aquele leito fora da curiosidade dos demais. Já deitado, acionei o botão várias vezes para me assegurar de sua efetividade. Mas, perdido naquela pequena escuridão, desaparecia tudo. Sentia estar numa ilha coberta de espessas trevas. Invadiu-me uma espécie de sopor que me convidava a abandonar todo pensamento alheio que não fosse dormir e descansar.
O despertar foi tranqüilo e de grande satisfação. Senti a mente descarregada, leve, e por momentos fiquei desfrutando daquela comodidade indescritível. Sentia me cheio de vigor, e com vontade de trabalhar, de gastar a energia que se agitava em meu corpo, fazendo me sentir jovem, muito jovem. Foi então que aprendi por que eles não obrigam ninguém a trabalhar. Sem dúvida, com aquela alimentação e esse repouso, qualquer um sente desejos de trabalhar e de gastar energia. Quando iluminei minha cama, descobri que meus amigos estavam acordados e entretidos, usando uns pequenos instrumentos existentes entre cama e cama. Esse aparelho não é maior que um relógio de pulso, pendendo da parede através de um cordão liso e elástico que o recolhe e o sujeita quando é usado ou não. No aparelho, uma diminuta tela e microfone, tendo à borda, um botão. Meus amigos se reportavam e pediam instruções, e na tela, pude reconhecer claramente um dos chefes e ouvir sua característica voz. Meus amigos me disseram que tínhamos tempo disponível e que íamos aproveitá lo adequadamente. Assim que nos dirigimos à saída, passando novamente pelos inevitáveis banhos, que agora achei agradável, vi ao nível do pavimento uma fenda onde a gente coloca o pé. Sente se uma sensação de cócegas e quando retiramos, as unhas estão cortadas e polidas.
O mesmo fizemos com outra fenda a altura de uni metro e meio, onde a operação aconteceu com as mãos.
Aqui vinha outra peça de meus bons amigos. Dá a casualidade de que ainda não tinha me vestido até essa altura, e portanto, desconhecia as características da sua roupa. Chegamos a um lugar onde as retirávamos, no buraco em frente onde tínhamos deixado na hora que fomos dormir. Eles pegaram uma ao acaso e começaram a se vestir sem dar importância ao que me acontecia. Por mais que buscava e rebuscava não encontrava nada que me servia. Creio que estava a ponto de chorar e eles a rir. A maior camisa que achei apenas cobriria um de meus pequenos filhos. As calças, nem se fala, então...

CAPÍTULO 09
COMO OS VENUSIANOS DE DIVERTEM
Satisfeita sua vontade de brincar, pegaram uma camisa qualquer e espicharam na até alcançar o tamanho do meu corpo, fazendo o mesmo com as calças e os sapatos. Maravilhosas qualidades de um material apropriado para um mundo super-estandartizado. Meus amigos me explicaram que aquele material pode se espichar até três vezes seu tamanho original, retornando ao mesmo só em colocar dentro de um líquido que o lava e desodoriza. Mas a coisa toda não ficava só aí. Uma vez colocado sobre o corpo, com o seu calor ele se encolhe até aderir completamente, dando a sensação de se estar nu. É de um frescor incomparável! Num dos extremos desses lugares onde se deixa e se recolhe a roupa, há uma espécie de anteparo que cobre o corpo dos ombros a testa. Coloca-se ali a cabeça e dito aparelho encarrega se de pentear e espalhar no cabelo uma espécie de substância gasosa, ao mesmo tempo que o corta a altura dos ombros, succionando o resto.
Deixamos o dormitório saindo em busca de um restaurante. Encontramo-lo a poucas quadras adiante. Na realidade não sentia fome, mas sentia curiosidade de saborear e me convencer de modo efetivo se cada bandeja tinha diferentes sabores segundo suas cores. Esclareço que aquela substanciosa alimentação, com apetite ou sem, a gente sempre come. Pelo menos eu jamais recusei um sorvete ou um doce qualquer em nosso mundo, e isso que se usa lá é algo parecido com nossas guloseimas. Como dizia, sem fome mesmo, consegui dar conta, facilmente, de duas bandejas. Acredito até que se continuasse mais tempo ali, meu estômago tomaria uma curvatura alarmante como a dos dois franceses que encontrei.
Satisfeita mais a curiosidade que o apetite fomos em busca da biblioteca, pois tinha despertado certo interesse em mim o que conseguira ali observar quando passara anteriormente nesse lugar. O edifício não é diferente, muito, dos de refeitório em sua disposição. Semelhante a eles, duas paredes alojam os elevadores, e as outras duas estão cobertas de estantes repletas de livros. Como os nossos? Não! São um pouquinho diferente. Vou descrever tudo o que vi.
Meus amigos devem ser pouco afeito aos livros, porque me disseram que enquanto eu olhasse os livros eles ficariam no terraço respirando. Dirigi me a uma estante e peguei um livro. Não há ninguém tomando conta ou a quem perguntar. Comecei a folhear um, apanhado ao acaso. Como capas, para empregar nossa linguagem, tem duas chapas retangulares ou quadradas, dispostas de modo a formar uma caixa. O material interior é uma tira contínua, dobrada em forma de fole de acordeão, unida nos extremos às duas chapas. Esse material está quadriculado em forma miúda, e a escrita resume-se a diminutos pontos, ângulos e círculos, colocados em diferentes posições dentro do quadrado. Os livros podem ser abertos por dois de seus lados. Assim, terminado um, fecham no, abrindo outro e prosseguindo a leitura. Como complemento tem um dispositivo que o mantém aberto. É necessário isso pelo seguinte motivo: todo o pavimento está cheio de cadeiras que têm descanso para os braços e apoio para os pés, podendo ser reclinada para qualquer ângulo que se queira. É complementado por um braço mecânico articulado, provido, em seu extremo, de um par de varetas que terminam num pequeno círculo imantado. É assim que, comodamente sentados, dispõem o braço à distância que quiserem, abrindo o livro entre os círculos, sujeitando o material à leitura com essas varetas. Quem, com tanta comodidade, não tem vontade de ler? O mais interessante é que se uma pessoa tem vontade de escrever, também encontra onde fazê lo, pois existem várias fileiras dessas poltronas que em vez de braço têm uma lâmpada como a das cadeiras dos refeitórios. Para isso há uma boa quantidade de livros em branco. Para escrever usam um instrumento não maior que uma caneta de bolso. Em vez de pena, um diminuto quadro. Dentro desse, um círculo. No seu centro, um ponto para escrever.
Usam qualquer ângulo. Apertando um botão na parte superior sai o circulo e fazendo o mesmo com uma saliência no meio corpo do instrumento, destaca se a ponta. Não usam tinta de nenhuma espécie, mas uma reação elétrica que se verifica sobre o material, que não é papel. Pareceu me seda engomada ou um material parecido, que não se amassa nem se rasga com facilidade.
As estantes alcançam até três metros de altura em toda parede. Para pegar qualquer livro há, como não podia deixar de ser, outro aparelho, que eleva e abaixa o indivíduo. Há uns dez ou doze desses aparelhos em cada parede, manipulados por botões situados sobre o assento. O instrumento é simples, constando basicamente de uma barra e de um assento, que o eleva vertical e horizontalmente. Aqui também há um verdadeiro desperdício de luz, sem descobrir se a fonte, havendo profusão de cores. Cada fileira é de uma cor.
Meus amigos me chamaram ao elevador para que fosse com eles ao terraço ver uma coisa interessante. E vejam se não era: algumas pessoas colhendo frutas. Como disse antes, todos os terraços são pomares com distintas qualidades de frutas. Naturalmente que nesse mundo tudo é novidade, pelo menos para mim. Talvez haja pessoas que pensem que tudo isso nem é lógico, mas de qualquer maneira descreverei o que vi. Num canto do terraço estava uma nave pequena. Não media mais que três metros de diâmetro. Pelo centro descia uma escada que chegava entre as árvores até um dos corredores formados pelas árvores dispostas em fileira. Meus amigos apontaram me o trabalho executado por dois homenzinhos, trabalho esse, diga se de passagem, em nosso mundo, tedioso: estavam colhendo frutas. Mas esses pequenos homens não mediam mais que um metro e o seu trabalho era desempenhado de maneira fácil. Em sua pequena nave traziam uma espécie de bandeja (poderíamos também dizer peneira) com dois metros de circunferência. Dividida em duas seções, no centro tinham um recorte circular. Era feita de um material levíssimo, como tudo nesse mundo. Cada uma das metades era colocada imediatamente acima do anel que sustem a árvore pelo seu tronco. Uma dessas metades tem um buraco de umas dez polegadas, onde é colocado um tubo elástico do mesmo diâmetro. Levantam a cobertura de um dos corredores que também funciona como canaleta. Quando tudo está pronto, pegam um aparelho pouco maior que uma carteira de cigarros, colocando o debaixo dessa “peneira” num dos trilhos fixos ao anel. Colocam no a funcionar e as frutas despencam para dentro da peneira e desta, pelas canaletas, para o interior dos edifícios, chegando ao lugar de seu aproveitamento por meio de um sistema de tubulação. O aparelho é um vibrador que faz cair a fruta madura. Como percebem, a colheita é extremamente fácil. Quando terminam a operação numa árvore, repetem na noutra e assim vão de terraço em terraço com sua nave e seus raros instrumentos.
Perguntei aos meus amigos o que faziam com a fruta. Certamente, as árvores são baixinhas, não medindo mais que dois metros. Mas não frondosas. A parte superior é coberta de ramos distribuídos em surpreendente simetria. Bem proporcionadas. Não se descobre uma única folha; cobrindo seus ramos, apenas diminutos botões ou brotos que, em sua maioria, têm um rabinho com um fruto na ponta. Sua casca é verde, de aparência macia e lisa como rebento de banana. Os frutos que vi e toquei eram de envoltura suave como a ameixa e outras. Não provei, mas meus amigos me garantiram, que não tinham caroço.
Retornando ao tema que estávamos tratando do que faziam com a fruta rindo, me responderam: Que pensas que tens comido? Isso que tanto gostas não é outra coisa que uma mistura elaborada com fruta e peixe. Mas não tem o sabor nem de um, nem de outro, porque são preparados em laboratório, tirando o cheiro e o gosto originais. Toda nossa alimentação é procedente dessas árvores, sendo complementada com produtos do mar devidamente elaborados e balanceados.
Agora queriam que eu conhecesse os seus divertimentos. Começaremos pelo primeiro que encontramos: uma sala de cinema. Quando me disseram que o edifício era um cinema, logo imaginei coisa diferente, algo parecido com os nossos, com uma tela gigante, um público às escuras, umas poltronas incômodas. Que seja: algo parecido com os nossos da Terra. Já esperava que todos os andares eram destinados ao mesmo fim. A isso já me havia acostumado; mas vejamos o que encontrei. Nesses edifícios, talvez sejam os únicos, os elevadores estão no centro e a tela ocupa uma parede circular que o rodeia em sua maior circunferência. Os espectadores dão as costas à torre do elevador, e dessa maneira, não são incomodados pelos que chegam e pelos que saem. A sala tem mais luz que o melhor de nossos dias terrestres. Já tinha dito que eles possuem grande domínio tanto da luz quanto da obscuridade. Portanto ao entrar na sala, pareceu me sair de um edifício semi escuro. Sentamos nas primeiras poltronas que encontramos. Naturalmente a isso se pode chamar de “poltronas”. É uma armação de lâmina dura, forrada de um material fresco e esponjoso. Eu que sou o dobro do volume de meus amigos entro à força e fico dentro, ou melhor dizendo, fazendo parte de um fardo de um material para mim desconhecido, mas que me dá uma comodidade jamais sentida. Nada me atrapalha. O pavimento é cônico e posso ver a tela desde o chão. O espetáculo gira lentamente ao redor de todo o edifício. Intrigado, parei e busquei onde começava e onde terminava aquela maravilhosa tela, encontrando ao fim, uma ranhura onde claramente era visto sair e perder se partes diferentes do espetáculo. Gira tão lentamente que seria aborrecido se não se colocasse a mente naquilo que não é nenhum cinema da forma como o concebemos ou conhecemos. Sentado comodamente tenho a sensação de que estou no alto de um morro e lá em baixo, vejo um arroio correr lentamente, baixando uma vereda, um atalho de burros, fustigados a grito por três cavaleiros. É duplamente maravilhoso, por que vejo e ouço os gritos dos condutores, o vadear dos animais e até os ruídos peculiares que produzem seus estômagos ao fazer um esforço maior. Com tal nitidez se ouve e se vê tudo que até se perde a noção de lugar e de distância.
Os espectadores, em sua maioria, não se limitam a ver. Vão com uma espécie de vidro, inclusive da sua espessura; mas dá a impressão que é só a tampa de uma caixa iluminada. Nesse material tratam, e as vezes conseguem com exatidão, de reproduzir o que vêem. Não diria que pintam, pois, não usam tinta nem pincel, mas uma coisa parecida com os instrumentos com que escrevem, variando só a ponta, por onde, à vontade e só fazendo pressão na saliência do meio, produzem um pequeno leque, semelhante ao que produz uma pistola de pintura. Como disse antes, não é pintura mas uma espécie de raio de luz que ao girar a ponta superior muda de cor ou de intensidade. Esse aparelho alguns usam com tanta maestria que produzem tonalidades verdadeiramente maravilhosas, pois o raio de luz vai desde um ponto até dois centímetros de largura produzindo nesse material o que o fogo faz a diferentes distâncias.
No sub solo há estantes onde as pessoas apanham o material que precisam para “pintar” ou deixam ali o trabalho realizado. Saímos novamente à rua, agora em busca de um edifício esportivo. Quando meus amigos me disseram isso imaginei um ginásio. Mas fui levado a um edifício que não tinha nada disso. Todo o pavimento estava coberto de mesinhas quadradas que tinham só um pé no centro. De cada lado pende uma barra e nela se desliza a vontade um assento com encosto e apoio para os pés. No plano da mesa está um quadriculado, em branco e negro, e neste deslizam umas pequenas marcas, movidas como num tabuleiro de xadrez ou jogo de damas. Meus amigos me asseguram que isso se joga em milhares de combinações que continuamente se inventam outras desprezando as mais fáceis. Aquilo era interessante, mas eu pensava que isso não era o que haviam me prometido. Perguntei lhes pela sala desportiva, ao que me responderam que ali se fazia ginástica para o cérebro, não desperdiçando energias inutilmente, já que a saúde e a estatura ou corpo são controlados desde os laboratórios através dos restaurantes.
Dali fomos, quadras adiante, noutro tipo de diversão. Entramos num edifício. Quando tive à minha vista a primeira sala, senti-me desconsertado. Recordei algumas cenas de películas orientais onde se representava uma sala de ópio e esquálidos seres vencidos pelo vício jaziam em asquerosos divãs atendidos por seres misteriosos e igualmente esquálidos. Esta sala está coberta de cômodas cadeiras reclináveis, nas quais, com facilidade, a gente se funde. Tem descansos para os pés e dão a impressão que foram feitos para dormir ou descansar. O encosto, que se prolonga mais além da cabeça, está de tal maneira elaborado que esta fica afundada nas partes laterais providas de algo que se parece com microfones (áudio). O complemento dessa diversão, que encontrei motivo de ser, é uma pequena circunferência de um material elástico negro, suave e ligeiramente grosso, colocado ao redor da cabeça com o objetivo de tapar os olhos. A sala está totalmente iluminada. Assim caracterizado, e acomodado na cadeira, começa o espetáculo que é destinado exclusivamente ao ouvido e a imaginação.
Na primeira das cadeiras que ocupei, onde me acomodei com certa dificuldade, mas sem incômodos, chegou aos meus ouvidos um som por demais conhecido. Era como o produzido pelo tráfego nas grandes cidades, com o escândalo dos empedernidos buzineiros, o ulular das sirenes; dos diferentes serviços públicos de emergência, o peculiar bater de sinos dos vendedores ambulantes, o vozerio clássico dos mercados, os apitos dos policiais tentando colocar ordem, o rodar dos pesados trens nos desgastados trilhos, sem faltar o traquetar monótono das marias fumaça com seus apitos, campainhas e escapadas de vapores. Tudo era tão real que algumas vezes ante a proximidade de um trem, desvendei meus olhos para me certificar de que não corria perigo.
Como advertiram meus amigos, em cada fileira de cadeiras, podia se ouvir um som diferente. Passei a outra cadeira. Aqui encontrei algo que ainda não conheço realmente mas que podia facilmente identificar.

CAPÍTULO 10
A DESPEDIDA
Tratava se de um concerto. Dava até para ouvir o cochicho das damas, tal a fidelidade do som. Ainda mais: ouvia se também o ruído produzido pelos seus vestidos quando se acomodavam em seus assentos. Essa cena acontecia num cenário de idioma estrangeiro, desconhecido para mim. Também não sabia de que ópera se tratava. Mas a fidelidade era surpreendente. Passei para outra poltrona, onde se reproduzia os sons característicos de um grande incêndio, que acontecia num bosque. Pelos ruídos, era devastador. O crepitar das chamas impressionava. O estrondo aterrador de uma gigantesca árvore que caía, arrastando consigo galhos e tudo que encontrava em seu caminho até o golpe seco no solo era reproduzido com incrível realidade. Sentia se as ondas de calor que se esparramavam para todas as direções, começando aí a arder novas chamas. multiplicando e aumentando os ruídos do incêndio. Essa cena estava sendo tornada de uma nave a grande altura e devia estar sendo assistida pelos guardas florestais, porque, com assombrosa rapidez, o som ia do fogo indomável aos lugares onde esses indivíduos especializados, com a calma característica de quem está habituado a esses misteres, cumpriam suas obrigações sem violências e sem precipitações. Ouviamse suas vozes, dadas por rádio, sem dúvida, com toda a parcimônia como quem está dando conselho. Passa a dar ordens e pedir reforços. A seguir o som muda de lugar. Ouve se a revoada dos pássaros; substituindo, entra o som dos animais em fuga.
Passei ainda para outra fileira. Os sons deviam reproduzir também um incêndio, só que agora numa zona urbana. Ouvia se claramente a gritaria ensurdecedora, desenfreadas correrias de pés soas sem qualquer ordem, típico do desespero. Logo, tiros dado contra alguém que não obedecia as ordens, porque ouviam se os apitos dos policiais. O ulular das sirenes dos carros de bombeiro, suas freadas, os gritos, as ordens, o arrastar de mangueiras, o ruído metálico das conexões nos hidrantes, o choque poderosíssimo da água contra as paredes ardentes, os ruídos destas caindo, o clamor surdo da multidão de curiosos contidos pelos cinturões policiais, os comentários das pessoas, tudo isso era ouvido com impressionante clareza e num idioma para mim desconhecido, mas familiarizado, pertencente a uma de nossas raças terrestres.
Ouvi, depois, o aterrador ruído de um furacão que, materialmente, varria tudo que encontrava em sua passagem: pedras batendo contra pedras, fazendo se em pedaços multiplicando os ruídos, árvores arrancadas e lançadas a distância, o silvo do vento, o avanço de grandes torrentes de água arrancadas do leito de um caudaloso rio e, de quando em quando, o desesperado urrar de um animal apanhado em sua carreira ou o chapinhar também desesperado de outro animal na iminência de se afogar. Isso tudo tio só visto com os olhos da imaginação. Mais de urna vez tirei a venda dos olhos para me certificar se era só os sons que estava ouvindo. Todos esses sons aconteciam numa sala, bastando mudar de assento, para ouvir ou variar o espetáculo. O interessante é que se uma dessas poltronas está vazia, dela não sai nenhum som. Um dos ruídos mais apreciados pela população daquele fantástico mundo é o produzido pelos nossos mares. Essas fileiras, geralmente, estão sempre ocupadas. Quando desocupou uma delas, pude ouvir os ruídos de nossos próprios mares. Devo acrescentar que também a mim agradou bastante. Tratava se de algo característico, que bem poderíamos chamar de “sinfonia do mar”.
Adivinhava se o primeiro cenário: um porto marítimo e, a julgar pelos ruídos, de grande importância. Sabia se também que tudo aquilo acontecia numa manhã, e de neblina. Começa pelos ruídos das correntes, característico do recolher das âncoras. Seguese o barulho das ondas contra os cascos dos navios. Logo, vozes de comando, ampliadas por megafones, e as corridas das pessoas cumprindo as ordens. Percebe se o esticar dos cabos entre o rebocador e o navio. Aumentam os ruídos. Soma se agora a sirene de um barco, talvez gigantesco, e os apitos de prevenção dos rebocadores.
Agora surgem os gritos desesperados de bisonhos marinheiros, contrastando com as vozes de mando dos capitães maduros desde seu posto de comando. Logo vem o ruído produzido pelas máquinas ao levantar a pressão de suas caldeiras e finalmente o golpear das alavancas de controle. Era tão fácil identificar esses ruídos que experimentava a sensação de estar a bordo de um desses navios, observando todas as manobras preliminares de saída do porto. A seguir a tomada passa para o cais, indubitavelmente no início da manhã. Filas de trabalhadores saudando se aos gritos ou comentando em altas vozes as aventuras da noite anterior. O rodar de vagonetes, o golpe surdo dos fardos ao serem descarregados, o rinchar dos cabos de aço movendo os roletes de gigantescos guindastes e o vozerio do pessoal, tudo aumentava até se transformar naquele pandemônio.
Agora a tomada move se para uma zona balneária. Começa o ruído de motores de algumas lanchas em competição; logo, o zumbir de algum avião que cruza por perto; de novo os ruídos dos motores das lanchas; agora, rebocando os esquis aquáticos. Sente se o alento da pessoa que guia o esqui, e até se pode diferenciar pelo som, qual esteira de espuma pertence a lancha e qual ao esqui. Aproximamo nos de um grupo de banhistas. Ouve se o chapinhar na água e seus gritos ao serem arrastados por uma onda. A seguir, vem um grupo de crianças, com seus inconfundíveis gritos de alegria, suas correrias, suas brincadeiras com a água ou com a areia, e logo, o choro. Finalmente, os gritos autoritários dos pais colocando ordem na confusão.
Agora estamos sobre uma praia deserta. As ondas rebentam estrepitosamente nas pedras; depois, mudando de lugar, ouve se as morrerem lentamente na areia. Assobia o vento entre as palmeiras, e bandos de gaivotas buscam refúgio terra adentro, gritando clamorosamente. Internamo nos mar aberto. O vento continua zumbindo, agora com mais força. As ondas aumentam de tamanho. Ao longe se ouve as ondas se rebentarem nas rochas. Não há dúvida que era uma tempestade, mas, nos afastamos, buscando um lugar aprazível. E o encontramos. Ouvimos o suave deslizar dos peixes. Distinguimos com facilidade suas dimensões pela força com que moviam suas aletas na água. Seguimos adiante. Agora, um grupo de peixes voadores. Sente se o momento em que saem da água caindo mais adiante, numa ação contínua e compassada. Logo, vem a pesca de um peixe de bom porte e sua luta para se livrar do anzol que o prende, batendo se estrepitosamente nas águas e o correr da linha recolhida na carretilha, os gemidos do anônimo pescador pelo esforço que fazia e finalmente um grito de desilusão, quando o peixe consegue escapar. Continuamos em busca de novidades.
Agora, algo que vi e que deve ter sido verdadeiramente impressionante: a pesca de uma baleia. Um verdadeiro furacão à flor da água. Um disparo a bordo de uma lancha, o silvo do arpão cortando o ar, o estirar do cabo, o ruído do carretel desenrolando se e o certeiro golpe no corpo do animal. O arrastar da lancha puxada violentamente pelo animal ferido e os momentos de expectativa são tão reais que sinto temor pelas vidas dos marinheiros. O animal revolteia se querendo salvar se do ferro que lhe tira a vida... Finalmente o triunfo do homem sobre o animal. Gritos de júbilo que não deixam dúvidas: a presa foi vencida pela inteligência humana. Agora vão rebocando o pesado corpo ao barco mãe. Em seguida, ruídos de correntes, silvos de caldeiras a vapor ou ar sob pressão, os golpes dos cutelos, o apito de sirenes em louca correria contra o tempo, o inconfundível ruído de fervura em grandes caldeiras e finalmente torrentes de água lavando as cobertas.
Essa forma de diversão me agradou. Acredito que gastei mais tempo que dispunha, por que ia mudar de fila buscando outros ruídos, quando meus amigos me chamaram dizendo que a nave estava pedindo nosso retorno. Fomos saindo quando vi que do meio das poltronas tiravam um indivíduo e o depositavam numa abertura incrustada na parede. Algo me deu a impressão que o amortalhavam num ataúde. Para não ficar com dúvidas, perguntei o que acontecia com ele. Explicaram me que, como eles não tinham cemitérios, recorrem a meios mais científicos para se desfazer das pessoas que morrem. Ainda que haja lugares para os velhinhos, freqüentemente acontece que um indivíduo, andando pela rua ou estando dentro de um edifício, morre. Portanto, é obrigação que as pessoas mais próximas, depositem a vítima no aparelho desintegrador. E aquele buraco na parede, não era outra coisa que um desintegrador.
Meus amigos me explicaram que não há um edifício que não tenha um desses aparelhos em cada andar. Isso é tão importante para eles que, inclusive, as camas nos domitórios estão munidas de um instrumento especial que dá o alarme quando um indivíduo passa determinado tempo sem se mover. Quando isso acontece, acorrem ao lugar pessoas especializadas que se encarregam da operação. Perguntei lhes se não dava o caso de colocar pessoas com vida dentro do desintegrador. Responderam me que sim, mas que, o sistema era tão perfeito que se o indivíduo depositado estava vivo, nada lhe acontecia, e freqüentemente, saíam indivíduos de dentro dos desintegradores os quais se pensava ter morrido, quando, na realidade, apenas padeciam de alguma doença. Isso servia de aviso para que o mesmo procurasse um centro de tratamento.
Advertiram me meus amigos que era provável que já íamos partir, mas que, se isso não acontecesse, de qualquer maneira dormiríamos na nave que nos havia transportado e que ali mesmo faríamos nossas refeições, pois, já era hora. Assim, subimos ao terraço para abordar uma daquelas naves esféricas e fantásticas que, quando voam, a gente vê como gigantescas bolas de cristal, mas quando se vai dentro, percebe se as aterrorizantes velocidades que alcançam. Nessa viagem, voando na nave esférica, vi lá em baixo, numa remota rua, uma série de estreitas e gigantescas rodas que iam arrastadas ou faziam parte de uma rara máquina. Perguntei aos meus amigos do que se tratava, e para responder, um deles tomou o microfone, pedindo ao piloto diminuir a velocidade e perder altura até colocar se a uns poucos metros adiante daquele raro aparelho. Mesmo assim, para mim, ainda continuava sendo umas rodas enormes de cor amarela. Incapaz de adivinhar do que se tratava, perguntei. Explicaram me então que era tão somente uma “máquina de fazer pavimentos metálicos”. Adiante da máquina, o chão era de um marrom escuro, vendo se uma superfície grosseira, parecendo concreto. Na máquina, os rolos de metal laminado que não era outra coisa que as rodas vistas lá do alto, espaçadas umas das outras um metro aproximadamente. A função da máquina era polir o chão, abrir um canal e, preparado o piso, ia depositando ali as cintas metálicas de aproximadamente doze polegadas de largura, cuja finalidade (dessas tiras) é a de conduzir a energia usada pelos veículos que por ali transitam.
Aterrissamos num terraço em frente ao edifício onde estava nossa nave. Tomamos o elevador e fomos para o “porão” Ali tomamos um conduto subterrâneo para atravessar a rua e chegar ao outro edifício, e dali, para alcançar o terraço sob a barriga de nossa acolhedora nave. Procurando um pé de conversa, perguntei algo sobre sua raça, que me havia chamado a atenção: que ninguém portava defeitos físicos. Veio à memória que se no nosso mundo as pessoas usassem aqueles trajes materialmente colados no corpo, como pareceriam nossos semelhantes, tão feios e desproporcionais, com barriga, pernas inchadas, ombros caídos, espinha curvada, etc. Em pensar tudo isso, dava até para rir. Explicaram me que o desenvolvimento físico de sua raça é controlado a partir dos laboratórios onde são preparados os alimentos, devidamente balanceados, para evitar indigestão com todas as suas conseqüências e o excesso de líquidos, que provoca os estômagos dilatados, além de irritar os intestinos pelo esforço.
A cabine de controles, na nave, estava à meia luz, e só havia um dos indivíduos que formava a tripulação. Ao que parece, meus amigos eram superiores ao mesmo em hierarquia, por que foi encarregado de nos servir. Após a refeição, o mesmo indivíduo converteu as cadeiras em cama e nos acostamos.

CAPÍTULO 11
DE VOLTA À TERRA
Mais de uma vez, ao repassar tudo o que me aconteceu naquela ocasião, tive a certeza de que em todo o tempo, a partir do momento em que, repentinamente, senti vontade de entrar na nave, permaneci sob domínio mental deles. Mas isso, todos vocês, leitores, já deduziram. Vou prosseguir a narrativa, tal como aconteceu a partir dali. Quando fui despertado, novamente estava vestido com a minha própria roupa. A que usei lá o tempo todo, não encontrei em nenhum lugar. Naturalmente que isso me incomodava, mas, eles sempre tinham uma boa desculpa. Agora diziam me que tinham tirado minha roupa por que não valia a pena despertar me para mudá la. Além do mais, dormindo. dava lhes a oportunidade de fazer alguns estudos sobre meu organismo de modo exato. Assim, sem meu consentimento, vi me convertido em “porquinho da Índia” (cobaia).
Mas devo confessar que, ante a bondade dessas pessoas, ficava desarmado e já não encontrava justificativa para me incomodar. De uma coisa estou certo agora: os alimentos que me serviram na nave estavam com alguma substância para provocar sono profundo. Novamente estávamos em nosso mundo. A nave mãe ancorada no espaço terrestre. Fomos despedidos pelos chefes até a porta da nave pequena e subimos a essa sob seu vigilante olhar. Momentos depois senti a indescritível emoção de ser lançado ao espaço. O tobogã por onde suavemente havíamos penetrado anteriormente na nave mãe, convertera-se agora numa impressionante catapulta que me despedia de maneira pouco digna.
A sensação foi sumamente desagradável, pois, senti o mesmo que devem sentir os famosos homens bala que em alguns circos deixam se disparar por um canhão. Como isso me parecia coisa rara, já que voando as naves por sua própria força não se sente nenhuma sensação desagradável, perguntei lhes a que motivos devia se essa mudança. Explicaram me que essas naves criam sua própria força de gravidade, convertendo se em pequenos mundos quando propulsionadas por si mesmas. Aproveitei para perguntar lhes que tipo de combustível usavam para voar. Deram me uma explicação simples. Entre outros, usam as linhas magnéticas ou campos magnéticos, como dizemos na Terra, força essa gerada entre dois corpos em movimento. Asseguram me que toda nave tem uma máquina que aproveita essa força. Coisa simples, não?
Perguntei lhes também se era possível dar uma mãozinha para nós com seus conhecimentos. Responderam que gostariam muito, mas que era muito perigoso, visto que eles estavam convencidos que, além de romper com nosso processo de evolução, acelerariam nossa mútua destruição, já que colocariam em nossas mãos conhecimentos impróprios para nosso temperamento bélico. Como para convencer me do que diziam, indicaram me que olhasse através da pequena tela que tinha à frente de meus olhos. Fixei minha vista aí mas só vi nuvens. Acionando os controles, as nuvens começaram a desaparecer até surgir uma colina. Quando tive esse objetivo a poucos metros de meus olhos, pediram me para não perdê la de vista. A colina começou a afundar como se fosse um monte de manteiga sob a ação de uma língua de fogo. A colina quase desapareceu. Em seu lugar, via se agora um buraco gigantesco, cujas paredes pareciam cortadas à chumbo, numa profundidade impressionante. E isso em alguns minutos.
Veja agora o que vai acontecer, disse um deles; o que acabaste de ver foi tão só um poderoso desintegrador. Mas a essa arma segue outra.
Aterrorizado vi como as paredes daquele gigantesco buraco começavam a virar pó, lançando toneladas de terra e pedra para o fundo. Quando isso terminou, aquilo tudo ficou convertido num cone de colossais dimensões.
Como vês, essas armas são verdadeiramente destruidoras, pois, sem usar a primeira que é simplesmente mortal, com a segunda, em poucos minutos poderíamos fazer em pedaços toda uma cidade, sem que uma única viga de aço, que forma a armação, ficasse em seu lugar. Diga nos agora: gostarias que colocássemos essas armas nas mãos de alguma nação do teu mundo?
Estava tão impressionado que não me atrevi a responder. Mas, o mais baixinho, talvez aproveitando meu estado de espírito, disse:
-- Não tenha medo; não usaríamos contra vocês essas armas. Se tivéssemos interesse em dominá los, bastaria usarmos um gás que trazemos em boa quantidade na nossa nave. Esse gás é mais pesado que a atmosfera de vosso mundo, e ao aspirá lo, vossas mentes ficariam sob nosso controle.
Fiquei estupefato!! Acrecentou ainda:
-- Não penses também que o usamos contra ti.
Dizendo me isso, olhou me com certa malícia ou com um ar de suspeita que me fizeram estremecer e dar graças a Deus por estar novamente em meu mundo. Momentos após reconheci o lugar onde tinha parado com o carro dos norte americanos. Baixamos lentamente. Meus amigos me fizeram prometer que a experiência que me haviam proporcionado, eu daria a conhecer em todas as partes e por todos os meios ao meu alcance. Foi então que percebi meu despreparo intelectual. Prometeram me ajudar.
Momentos após, percebi me correndo rumo a estrada, pois, me disseram que enquanto não me afastasse o suficiente, não poderiam alçar vôo, sem colocar em risco minha vida. Quando cheguei ao monte de terra, dirigi a vista ao lugar, esperando ver como a nave se elevava. Essa se mexia majestosamente a uns quinhentos metros de altura, como que se despedindo de mim. Logo deu uma arrancada tão forte que desapareceu de minhas vistas, podendo localizá la quando era do tamanho de um pequeno ovo de umas seis polegadas de espessura.
Novamente minha mente ficou confusa. Fixei a vista nas pernas da calça e via as completamente limpas, exatamente o contrário de como ficaram cinco dias antes quando o atravessamos rumo à nave. Por um bom tempo fiquei reconhecendo o terreno e refletindo sobre aquela fantástica aventura; e, coisa rara: estava convencido que todo mundo daria crédito às minhas palavras, já que poderia responder a quantas perguntas fizessem sobre a maravilhosa viagem. Intrigava me só uma coisa: quanto tempo havia passado!
Vi um carro se aproximar em direção sul. Cruzei a estrada e sem atrever me a pará lo, este se deteve a minha frente. O carro era de placa mexicana e estava ocupado por uma família, ao que tudo indicava. Ao volante, um senhor gordo; ao seu lado, uma senhora bem vestida; atrás, dois rapazinhos. O homem me perguntou se ia para a cidade. Acenei que sim, pedindo me para entrar. O homem pensou que eu era dali daquela região, e como tinha dificuldades com o motor, pensou que eu podia indicar um bom mecânico. Como desconhecia a pequena cidade e seus habitantes, limitei me a aconselhar que parássemos no primeiro posto de gasolina. Tivemos a sorte de encontrar ali um mecânico petulante, meio bêbado, que imediatamente prognosticou o defeito, pedindo ao dono do carro que o seguisse. Fiquei no posto. Pouco depois, na mesma direção, veio um caminhão, a cujo motorista pedi uma carona. Concordou em me trazer até a cidade do México. De minha parte sentia um otimismo extravasante. Recordava perfeitamente todos os incidentes da viagem e estava certo que ninguém me confundiria. Perguntei ao motorista que dia era. Antes de responder, olhou me com estranheza e receio de alguma brincadeira. Mas eu estava tão otimista que não dei importância. Fiz as contas dos dias que passei fora de casa, e me dispus a contar ao companheiro minha aventura.
Olhava me calmamente, sem deixar de lançar olhares de desconfiança. Talvez pensava que eu era louco, mas um louco passivo, sem representar perigo algum. Por fim, quando teve certeza de que não corria nenhum perigo, tendo adquirido a confiança necessária, disse me:
-- Olha, irmão, a “erva” é má quando fumada pura.
Seria verdade que aquele homem pensava que eu era um viciado em maconha? Foi assim que passei toda a viagem dormindo. De repente vi com inteira claridade a magnitude da minha experiência, perdendo toda a vontade de fazê la pública. Porém recordava da promessa que fizera aos meus amigos, de modo que, a partir dali tive que lutar muito para vencer o complexo criado por aquele motorista. Foi por isso que por dezoito meses não a manifestei a ninguém. Só me arrisquei a falar dela quando comecei a ver com freqüência nos jornais casos de pessoas que avistaram aquelas fantásticas naves espaciais.
Como dizia no princípio, passei tantos dissabores desde que comecei a contar minha aventura que acabei por considerá la incrível, passando a justificá la às pessoas que se riam da mesma. Afinal, cada qual tem o direito de acreditar ou não. Assim, quando encontro uma pessoa que me pergunta em tom de pilhéria sobre a aventura acabo dizendo que foi uma viagem que fiz nas asas da imaginação. Assim, ambos ficamos satisfeitos. Porém, quando encontro uma pessoa isenta de petulância e de “conhecimento científico”, quase sempre conto com muito gosto e começamos a discutir o possível e o impossível. Mesmo que não acredite em tudo, ficando em dúvida, isso já me deixa satisfeito.
Depois dessa viagem aconteceram me coisas tão raras que fogem do meu conhecimento. Relato as aqui com a esperança de que alguns de meus leitores tenha idéia do que se trata. É o seguinte:
Muitos perguntavam me para qual planeta tinha ido. Isso me martirizava a ponto de se tornar uma obsessão, pois era uma estupidez não ter me ocorrido perguntar a eles enquanto lá passei. Um dia qualquer, em que mais me martirizei, comecei a sentir uma pressão mental insuportável, que por momentos se fazia mais pesada a ponto de ter que deixar de trabalhar. Dirigi me para casa aí pelas três horas da madrugada. Mesmo não tendo sono, deitei me na cama. O quarto estava às escuras, por que não queria despertar minha mulher. Recordo perfeitamente, pois, estava desperto e pensativo, revolteando se na minha mente a recriminação de não ter me lembrado de perguntar esse detalhe tão importante. De repente, o lugar se iluminou, inundando se de luz, mas a luz que havia visto naquele planeta. Tratei de me incorporar, mas sem conseguir. Ante meu assombro, desapareceu tudo o que de familiar havia ao meu redor e me vi participando de uma cena onde apareciam meus dois amigos dando me uma conferência de astronomia. Pintavam em algo colocado numa das paredes o que devia ser o diagrama de nosso sistema solar. Reconheci o sol e os nove planetas de diferentes diâmetros, com trinta e sete luas no total, distribuídas trinta delas entre os cinco últimos planetas e as sete restantes entre a Terra e o sol. Quando tudo estava distribuído, o que parecia ser o professor que não era outro que o mais delgado dos meus dois amigos traçou uma cruz sobre o segundo planeta a partir do sol. Em seguida, voltou se para onde eu estava e com sua reconhecível voz me disse:
-- Estás lembrado que quando entrávamos em nosso planeta perguntaste se era o sol o que estavas vendo, no que foste respondido por um de nossos superiores que “não”, mas que estávamos entrando em nosso planeta pela porta do sol, ou seja pela parte em que sempre está iluminando nosso astro rei.
Disse que não recordava das mesmas, porque naquele momento estava tão assustado ante o que tinha às minhas vistas que não pude gravá las. Terminando esse interrogatório, desapareceu a luz e tudo o que acabava de ver. De passagem, não pude conciliar o sono até o novo dia...
FIM

NAVES INTERPLANETÁRIAS
Samael Aun Weor
Não são discos voadores, mas esferas voadoras. Elas seguem a mecânica planetária de rotação; seu movimento giratório acontece da esquerda para a direita, o qual as faz subir ou descer. No centro da esfera existem pequenas asas ou pás, dispostas em leque, que absorvem o éter cósmico, o qual é conduzido por um tubo para o interior da esfera onde é queimado numa espécie de câmara por intermédio de um raio de luz, mas diferente da chama que nós conhecemos. Observado clarividentemente, assemelha se a uma pequena roda, parecida com o esmeril. Essa roda, ao girar incessantemente, dispende o raio destinado a queimar o éter. 0 éter cósmico é o combustível das naves interplanetárias.
Com a combustão, o éter provoca dois movimentos, à saída do jato: o giratório e o de impulso. Esse jato de saída tem ainda uma terceira aplicação: serve de leme. Com um pequeno movimento para baixo a esfera dá início à sua subida; com o movimento do leme ou timão para cima, a esfera inclina se para baixo e desce. A mesma coisa se faz para tomar a direção esquerda ou direita; em suma, é o jato de saída que faz a nave mudar de direção. 0 movimento externo de rotação da esfera produz calor, protegendo assim a nave dos grandes frios planetários, evitando a formaçío de gelo e a penetraçào de gases espaciais dentro da nave.
A esfera gira sobre seu próprio eixo. A cabina cônica onde viajam os pequenos pilotos está nesse eixo, logo, ela permanece imóvel, apesar da rapidez com que externamente a esfera efetua o giro. A cabina contém mostradores, os quais indicam a direção e a velocidade. Uma pequena alavanca dirige o jato; a velocidade é controlada por meio de um botão acelerador, operado com o pé.
Esse botão vai e vem e também pode ser fixado em determinada profundidade para manutençâo de velocidade constante.
Para descer à superfície, abrem uma espécie de escotilha, da qual se projeta o trem de aterragem. Para subir, a nave gira sobre si mesma. Para esses movimentos de descida e subida, a nave possui reserva de éter. Se uma nave pousasse em movimento, se partiria em pedaços. Sua velocidade varia segundo a força de combustão. 0 movimento giratório é similar ao dos helicópteros; assim, ela pode permanecer imóvel no espaço.
0 éter é o mais poderoso combustível existente no universo; é encontrável em todas as partes. Isso significa que os seres extraterrestres já conseguiram resolver o problema do movimento contínuo, o qual tanto nossos cientistas têm buscado. A esfera, ao girar sobre si mesma, sobre seu próprio eixo, atrai o éter que, depois, ao ser queimado, gera a energia. Em seguida, vem o jato de saída, que dá movimento à esfera, ou seja, a faz girar sobre si mesma enquanto simultaneamente a impulsiona. Esse movimento é contínuo. Isso vem demonstrar que nossos aviões movidos a gasolina logo se tornarão obsoletos. Esse combustível é muito pesado, perigoso e ocupa muito espaço. Isso tudo logo será peça de museu. Há que se aprender a voar com as esferas celestes.
0 movimento giratório, como dissemos, é controlável. Ele aumenta ou diminui segundo a intensidade da força de saída. Existem grandes e pequenas esferas; o homem terrestre ainda não foi capaz de construir naves para viagens à outros planetas. Em compensação, esses homens crianças de outros planetas virão para nos civilizar, porque ainda somos selvagens.
Para terminar este estudo sobre as esferas voadoras, tenho que dizer aos nossos cientistas que isso não é uma teoria pretensiosa ou imprecisa. Isso é pura realidade. Fomos 4 investigadores a estudar essas naves. Estivemos dentro delas e nos entrevistamos com seus pequenos pilotos. Portanto, não estamos teorizando, nem manifestando uma opinião ou estabelecendo uma hipótese. Trata se de uma realidade por nós pesquisada.
Os cientistas poderão fazer a mesma coisa se aprenderem a viajar conscientemente em corpo astral. Muita gente acredita que os discos voadores são instrumentos de destruição ou armas secretas inventadas pelos russos, ou que essas máquinas são movidas à distância pelo radar ou algo parecido. Não são tal coisa, nem são instrumento de destruição como muita gente imagina; são naves perfeitas que nos trarão a civilização, porque ainda não somos civilizados; somos antropófagos vestidos de terno e gravata.
Na Rússia houve um cientista que, por meio de ondas de rádio, conseguiu se comunicar com esses pilotos. Esse cientista está sendo ajudado por um dos 7 Weores. Vosso irmão Weor dos Estados Unidos, também não ignora isso. Os cientistas que quiserem investigar as esferas voadoras, que estudem detidamente meus livros; que se dêem ao trabalho de desenvolver seus próprios poderes internos. Assim poderiam entrar triunfantes e vitoriosos no anfiteatro da ciência cósmica.
Quando os pilotos das esferas voadoras estabelecerem sua morada na Terra, irão nos iluminar. Então, sim, haverá aqui esplendor e sabedoria. Eles são sábios e santos ao mesmo tempo. São pequenos em estatura e seus rostos são rosados como a aurora. Sua missão é a de iluminar a futura humanidade da Era de Aquário. A informação dada por Lapides, afirmando que os discos voadores são arma secreta dos EUA não é verdade. São meras suposições ou notícias para agradar certos leitores. Igualmente os dados apresentados por Echeverru Marquez, baseados num pequeno documento inglês, de propriedade de um oficial de Sua Majestade, querendo com isso explicar os discos voadores, também são simples suposições,
Todos esses informes querem dar paternidade a um invento que não é do nosso mundo, e objetivam proporcionar notícias aduladoras a milhares de leitores. Se os discos voadores fossem armas secretas, por que teriam voado sobre cidades sem importância? Sobre os campos? Eles costumam evitar encontros com outros aviões e executam movimentos inesperados, voando serenamente e sob os olhares de milhares de testemunhas. Agrade ou não aos céticos deste século XX, vão ter que se convencer que as naves interplanetárias são provenientes de outros mundos, pilotados por criaturas milhões de vezes mais sábias que os asnos de fraque, óculos e cartola da nossa afligida Terra.